Ouvir
Em Direto

Pessoas em barco que deu à costa em Cabo Verde estarão mortas há 48 horas

As quatro pessoas no interior de uma embarcação que deu à costa na ilha de Santiago, em Cabo Verde, estarão mortas há cerca de 48 horas, segundo uma primeira avaliação médica no local, disse fonte oficial.



Manuel Claudino Monteiro, capitão dos portos do Sotavento, disse à agência Lusa que o primeiro alerta à Polícia Marítima da existência de uma embarcação com corpos no interior foi dado perto das 08:30 de hoje.

A operação de resgate terminou às 17:00, altura em que os quatro cadáveres foram transportados numa ambulância, escoltada por uma viatura da Polícia Nacional de Cabo Verde, para o Hospital Dr. Agostinho Neto, na cidade da Praia, capital do arquipélago.

Neste hospital, os corpos -- que aparentemente são de três adultos e uma criança -- irão ser submetidos a uma autópsia que revelará a causa de morte.

Segundo Manuel Claudino Monteiro, a embarcação em que seguiam os corpos é "típica da costa ocidental africana e utilizada na pesca artesanal, com cerca de 12 metros de comprimento".

A embarcação -- identificada "na ponta norte de Santiago, a cerca de 30 a 40 milhas a norte de Tarrafal" -- foi transportada numa operação que envolveu três embarcações da Polícia Marítima, com 12 efetivos, agentes da Polícia Nacional e agentes da Guarda Costeira.

Não se sabe, para já, a causa da morte dos quatro indivíduos, sendo as hipóteses mais prováveis um acidente no decorrer da atividade piscatória ou a prática de imigração ilegal.

"O tipo de embarcação é utilizado na pesca, nas também não sabemos se está a ser utilizado em atividades de migração clandestina. Caberá às autoridades competentes apurar", disse.

Manuel Claudino Monteiro referiu que a médica que esteve presente no cais de pesca da Praia, onde os cadáveres foram recolhidos, indicou que a morte terá ocorrido há 48 horas.

Em declarações à Lusa, o comandante da Polícia Marítima de Cabo Verde, Faustino Sanches, indicou que ainda não se pode avançar a nacionalidade das vítimas, mas garantiu que, dada as características, a embarcação é oriunda de um país da costa ocidental africana.