Ouvir
CONSULTÓRIO JURÍDICO
Em Direto
CONSULTÓRIO JURÍDICO

PR moçambicano diz que confia no banco central após "apagão" no sistema de pagamentos eletrónicos

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, garantiu confiar na direção do Banco de Moçambique, após críticas ao governador do banco central moçambicano pelo seu posicionamento face a um "apagão" do sistema de pagamentos eletrónicos do país durante cinco dias.

PR moçambicano diz que confia no banco central após apagão no sistema de pagamentos eletrónicos



"Não perdemos a confiança na direção do banco de Moçambique. O apagão não foi resultado de um mau funcionamento do banco central. Nós temos de proteger a nossa soberania", declarou Filipe Nyusi, falando durante uma conferência de imprensa em Nairobi, no Quénia, onde efetua uma visita de trabalho.

Em causa estão as críticas que o governador do Banco de Moçambique, Rogério Zandamela, recebeu de organizações da sociedade civil moçambicana, que o acusaram de arrogância e exigiram a sua demissão devido à sua posição sobre o "apagão" do sistema de pagamentos eletrónicos no país.

As caixas automáticas e pontos de pagamento eletrónico da rede bancária moçambicana não funcionaram durante cinco dias, depois de o fornecedor da plataforma eletrónica, a empresa portuguesa Bizfirst, ter cortado o serviço, devido a um litígio com a Sociedade Interbancária de Moçambique (Simo).

Na altura, Rogério Zandamela considerou a Bizfirst uma "empresa sem expressão", anunciando que estava em conversações com um novo fornecedor da plataforma eletrónica.

Para Filipe Nyusi, os moçambicanos "não podem ter medo da mudança", principalmente quando é hora de procurar novas alternativas.

"O que vamos fazer é encontrar soluções imediatas, por agora, como é o caso, mas também definitivas", afirmou Filipe Nyusi.

"Temos de ter frieza. Quando há um problema não se pode ficar em pânico. O banco (central) está a fazer a sua parte. É verdade que a pressão sobre as instituições é necessária quando as coisas não estão bem", disse o chefe de Estado moçambicano.

O sistema foi restaurado após a Associação Moçambicana de Bancos (AMB) ter chegado a acordo com a Bizfirst.

A decisão de pagar à Bizfirst tinha sido descartada pelo governador do Banco de Moçambique na terça-feira, quando foi ouvido no parlamento.

O dirigente confirmou ter participado numa reunião com bancos, onde "havia parceiros a puxar para essa via", mas "o retorno à Bizfirst não está em vista", disse, depois de a empresa ter cortado o serviço, anunciando que um novo fornecedor estaria a caminho de Moçambique, mas sem indicar prazos.

Na quarta-feira de manhã o cenário mudou: o primeiro-ministro, Carlos do Rosário, anunciou que se encontrou "uma solução imediata" e que a situação estava normalizada, sem mais detalhes, durante uma intervenção a abrir a sessão de perguntas ao Governo no plenário da Assembleia da Repúblic
A decisão de pagar à Bizfirst tinha sido descartada pelo governador do Banco de Moçambique na terça-feira, quando foi ouvido no parlamento.

O dirigente confirmou ter participado numa reunião com bancos, onde "havia parceiros a puxar para essa via", mas "o retorno à Bizfirst não está em vista", disse, depois de a empresa ter cortado o serviço, anunciando que um novo fornecedor estaria a caminho de Moçambique, mas sem indicar prazos.

Na quarta-feira de manhã o cenário mudou: o primeiro-ministro, Carlos do Rosário, anunciou que se encontrou "uma solução imediata" e que a situação estava normalizada, sem mais detalhes, durante uma intervenção a abrir a sessão de perguntas ao Governo no plenário da Assembleia da República.