Ouvir
Grande Auditório
Em Direto
Grande Auditório Reinaldo Francisco / Produção: Susana Valente

Argumentos de Óperas, Obra


Os Mestres Cantores de Nuremberga

8ª ópera (54 anos)

Libreto: Richard Wagner baseado em diversas fontes

Estreia: (Munique) Teatro Real, 21 de Junho de 1868


Personagens
O Cavaleiro Walter von Staling
Eva, Filha do Ourives
Madalena, Aia de Eva
David, Aprendiz de Sapateiro
Veit Pogner, o Ourives
Sixtus Beckmesser
Fritz Kothner
Kunz Vogelgesang
Hermann Ortel
Baltasar Zorn
Konrad Nachtigall
Augustin Moser
Hans Schwarz
Hans Foltz
Ulrich Eisslinger
Hans Sachs, o Sapateiro
Guarda-Nocturno
Os outros Mestres Cantores


AntecedentesFoi por volta de 1845 que Richard Wagner pensou em escrever uma ópera cómica que fosse uma espécie de réplica a "Tanhäuser" - mas esse seu projecto só iria tomar forma passados mais de 20 anos, sendo apresentado pela primeira vez em público em Munique no dia 21 de Junho de 1868. Estamos a falar de "Os Mestres Cantores de Nuremberga".
Foram diversos os textos em que Wagner se baseou para escrever esta sua obra, entre eles a "História da Literatura Alemã" de Georg Gottfried Gervinius, um capítulo duma crónica nuremberguiana onde se fala da "arte mui graciosa dos Mestres Cantores", um poema de Goethe "sobre a missão poética de Hans Sachs", uma comédia de Deinhardstein e um conto de Hoffmann intitulado "Mestre Martin, o Latoeiro, e os seus Companheiros".
Wagner terminou o texto de "Os Mestres Cantores" em Janeiro de 1862. Em Março iniciou a escrita da música, que terminaria em Outubro. A ideia inicial duma réplica cómica a "Tanhäuser" acabou por esbater-se com o passar dos anos - se bem que ainda possam ser encontradas algumas semelhanças, como um cantor de génio confrontado com tradições bafientas, a jovem dada como prémio no concurso de canto, a figura paternal dum mecenas, ou ainda o velho artista amado e venerado, simbolizado, nos "Mestres Cantores", por Hans Sachs.

1.ºActoA acção do 1º acto passa-se no interior da igreja de Santa Catarina em Nuremberga, onde Eva, filha do ourives Veit Pogner, repara num cavaleiro que a olha fixamente. Esse cavaleiro é Walter von Staling que se aproxima dela e lhe pergunta se já tem noivo, ao que a aia da jovem, Madalena, responde dizendo "que Eva irá casar com o vencedor do Concurso de Canto do dia de São João", acrescentando "que isso fora uma decisão do seu pai, o ourives Veit Pogner". Evidentemente interessado, Walter diz, no entanto, ignorar as regras do concurso. Madalena convence David, um aprendiz, discípulo de Hans Sachs, a ensinar-lhas - o que o jovem faz de forma bastante confusa. Veit Pogner, o ourives, chega passados instantes, e Walter manifesta-lhe o seu interesse em entrar para a Corporação dos Mestres Cantores, o que parece agradar ao ourives, já que se dispõe, ele próprio, a apresentar a sua candidatura. Mas essa pretensão do cavaleiro é muito mal recebida, sobretudo por Sixtus Beckmesser, um pretendente de Eva que vê em Walter um rival perigoso no futuro Concurso de Canto. No entanto, a candidatura acaba por ser aceite, mas a actuação do cavaleiro desafia as regras estabelecidas, e Walter não é admitido. Em favor da sua arte manifestam-se Veit Pogner, o ourives, e Hans Sachs, o sapateiro.

2.ºActoA acção do 2º acto passa-se na rua onde ficam as casas do ourives Veit Pogner e do sapateiro Hans Sachs. O aprendiz de Hans Sachs está a fechar a loja quando chega a aia de Eva, Madalena, que lhe pergunta qual foi o resultado da prova prestada por Walter, e que fica furiosa ao saber que ele não foi admitido na Corporação dos Mestres Cantores. Hans Sachs senta-se à porta da loja disposto a trabalhar, recordando o canto do cavaleiro que o impressionou precisamente por ser diferente. Eva vem conversar com ele acerca do Concurso de Canto que irá realizar-se no dia seguinte, Hans Sachs, compreendendo o que se passa, decide proteger os dois apaixonados. É que Walter e Eva, temendo o resultado do concurso, decidiram fugir, ao que o sapateiro se opõe. Entretanto chega Sixtus Beckmesser que vem fazer uma serenata à filha do ourives, e Hans Sachs decide contrariá-lo começando também a cantar enquanto bate a sola. Depois os dois homens acabam por estabelecer um acordo: Beckmesser fará a sua serenata e Hans Sachs limitar-se-á a marcar as falhas do seu canto com as pancadas do martelo. Só que o barulho é tal que os vizinhos aparecem para ver o que se passa, e David, o jovem aprendiz de sapateiro, namorado de Madalena, julgando que Beckmesser dedica a serenata à sua amada, ataca-o furioso. Aproveitando a confusão, Hans Sachs esconde Walter em sua casa no momento em que o ourives aparece e leva a filha consigo.

3.ºActoA acção do 3º acto inicia-se no interior da loja do sapateiro Hans Sachs conversa com Walter que lhe diz ter tido um sonho maravilhoso. O sapateiro desafia o a contar esse sonho num poema, e, enquanto Walter canta, Hans Sachs vai o aconselhando a adaptar o seu estilo às regras da Corporação. Depois de Walter sair, chega Sixtus Beckmesser que, ao ver o manuscrito, pergunta a Hans Sachs se pretende entrar no concurso. O sapateiro responde que não, de maneira nenhuma, e Beckmesser parte decidido a utilizar aquela canção, que julga ter decorado. O Concurso de Canto inicia-se com grandes festejos. Sixtus Beckmesser apresenta a canção roubada, adaptando as palavras à sua própria música. O resultado é desastroso, e Beckmesser, furioso, diz que foi vítima do sapateiro, e que aquela canção é obra dele. Então Hans Sachs revela o verdadeiro autor da obra, e entrega o manuscrito aos Mestres Cantores, que ficam maravilhados. Walter ganha o concurso... e a mão de Eva. A ópera termina com Eva colocando a coroa de flores, destinada ao vencedor, na cabeça de Hans Sachs.

RDP - Transmissões em "Noite de Ópera" desde 1996
1996 - 21 de Novembro
1997 - 20 de Novembro
1998 - 19 de Novembro
1999 - 25 de Novembro
2000 - 9 de Novembro
2001 - 9 de Agosto
Enredo resumido da autoria de Margarida Lisboa.