Estreias  

Do documentário como forma jornalística

"Fogo no Mar" é o documentário que arrebatou o Urso de Ouro da última edição do Festival de Berlim — o realizador Gianfranco Rosi filma os dramas da chegada de refugiados à ilha de Lampedusa.

Do documentário como forma jornalística
"Fogo no Mar" — o drama dos refugiados, desta vez sem ceder a clichés
Crítica de
Subscrição das suas críticas
135
Trailer/Cartaz/Sinopse:
 Do documentário como forma jornalística
Fogo no Mar Samuele tem 12 anos e vive numa ilha do mar Mediterrâneo. Como muitos rapazes da sua idade, vai à escola e passa o tempo livre pela ilha a brincar com a sua fisga. À volta de Samuele existe mar e existem homens, mulheres e crianças que tentam atravessá-lo a partir de África em pequenos barcos sem as mínimas condições. A ilha onde Samuele vive é Lampedusa, uma fronteira simbólica da Europa, à qual ...

Em 2013, o italiano Gianfranco Rosi conseguiu uma proeza invulgar: o seu documentário "Sacro Gra" foi o primeiro a arrebatar o Leão de Ouro na longa história do Festival de Veneza. O tema era o dia a dia das pessoas que vivem nas imediações da auto-estrada que circunda a cidade de Roma. Agora, com "Fogo no Mar", o ambiente é bem diferente: trata-se de mostrar a chegada dramática de muitos refugiados à ilha de Lampedusa, ao largo da Sicília.

Mais uma vez, Rosi conseguiu um prémio importantíssimo: no passado mês de Fevereiro, "Fogo no Mar" recebeu o Urso de Ouro do Festival de Berlim. Dir-se-ia que o impacto do seu trabalho resulta da mais universal das opções: o documentário é sempre entendido como uma amostragem das atribulações de personagens singulares.

Assim acontece em "Fogo no Mar". O salvamento dos que se lançaram ao Mediterrâneo, em frágeis embarcações, é mostrado de forma directa e esclarecedora, sem sensacionalismos (em nome de quê?) nem generalizações fáceis; em paralelo, conhecemos as rotinas e inquietações de alguns habitantes de Lampedusa, a começar pelo admirável Samuele, um rapaz fascinado pela vida dos pássaros.

Deparamos, assim, com uma narrativa documental que talvez possamos classificar como uma derivação jornalística. No sentido mais depurado que tal classificação pode envolver: para Rosi, a espessura dos factos é essencial, sem qualquer cedência a "simbolismos" fáceis. Ou seja: o cinema dá-nos a ver situações que conhecemos de muitos jornais televisivos, mas agora com outra densidade informativa e uma tocante verdade humana. 

Crítica de João Lopes
publicado 23:35 - 14 outubro '16

Recomendamos: Veja mais Críticas de João Lopes