Estreias  

Ensaio sobre a obsessão

Com uma carreira de mais de quatro décadas, Benoît Jacquot continua a ser um dos criadores mais originais da paisagem cinematográfica francesa — em "Eva", volta a dirigir Isabelle Huppert, desta vez em confronto com Gaspard Ulliel.

Ensaio sobre a obsessão
Gaspard Ulliel e Isabelle Huppert — sob o olhar de Benoît Jacquot
Crítica de
Subscrição das suas críticas
145
Trailer/Cartaz/Sinopse:
 Ensaio sobre a obsessão
Eva Nada havia preparado o jovem e prometedor dramaturgo Bertrand (Gaspard Ulliel) para o seu encontro com a misteriosa e sedutora Eva (Isabelle Huppert), que acabaria por se tornar numa obsessão compulsiva. Este sensual thriller adaptado do romance britânico do mesmo nome da autoria de James Hadley Chase é escrito e realizado pelo celebrado autor francês Benoît Jacquot e fez parte da seleção ...

Benoît Jacquot é, há mais de 40 anos, um dos grandes individualistas da produção cinematográfica francesa. Lembremos a trilogia que o revelou: "L'Assassin Musicien" (1976), "Les Enfants du Placard" (1977) e "As Asas da Pomba" (1981), este uma adaptação de Henry James em que, pela primeira vez, dirigiu Isabelle Huppert.

Pois bem, a relação com Huppert mantém-se e, uma vez mais, com resultados brilhantes. Em "Eva" (apresentado em Fevereiro de 2018 na competição do Festival de Berlim), ela interpreta uma prostituta que atrai o olhar de um autor de teatro (Gaspard Ulliel, porventura numa das mais subtis composições da sua carreira), parecendo encarnar uma obsessão que, de algum modo, o afasta de alguns assombramentos da sua existência.

Se quisermos encontrar um modelo inspirador para o cinema de Jacquot, talvez possamos dizer que ele continua a ser um discípulo fiel, embora artisticamente livre, de Max Ophüls (1902-1957), o cineasta de "Madame de..." (1953) e "Lola Montès" (1955). Trata-se de mergulhar nas zonas mais recônditas dos desejos humanos para observar, com frieza analítica, aquilo que nos faz ser aquilo que somos — mesmo quando não sabemos como somos.

Discreto e elegante, metódico e incisivo, este "Eva" não pode deixar de ser aproximado de um outro filme também intitulado "Eva", produção britânica de 1962 assinada pelo americano Joseph Losey, com Jeanne Moreau no papel principal. Ambos se inspiram no mesmo romance de James Hadley Chase, expondo, para além das suas muitas diferenças de olhar e estilo, a mesma vulnerabilidade humana — eis um trailer do filme de Losey.

Crítica de João Lopes actualizado às 00:29 - 14 junho '18
publicado 00:26 - 14 junho '18

Recomendamos: Veja mais Críticas de João Lopes