Estreias  

Na companhia de um cinéfilo

O crítico de cinema irlandês Mark Cousins volta a convocar-nos para uma fascinante viagem cinematográfica: em "Os Olhos de Orson Welles", tudo passa pelos desenhos e pinturas do autor de "O Mundo a Seus Pés".

Na companhia de um cinéfilo
Orson Welles — com os olhos na câmara, para além das câmaras
Crítica de
Subscrição das suas críticas
145
Trailer/Cartaz/Sinopse:
 Na companhia de um cinéfilo
Os Olhos de Orson Welles Ao ter acesso exclusivo a centenas de desenhos e pinturas de Orson Welles, o cineasta Mark Cousins mergulha no trabalho visual do actor e realizador mítico para revelar o retrato de um artista como nunca o tínhamos visto – através do seu próprio olhar, desenhado com a sua própria mão, pintado com os seus pincéis. Dá vida às paixões e ao poder deste showman do século XX e explora a forma como o ...

A história do cinema não é, nem de longe nem de perto, um inventário de "filmes" e "autores" que se leia como a ilustração de uma qualquer lógica determinista. O crítico de cinema irlandês Mark Cousins já o tinha demonstrado com a sua notável obra documental "História do Cinema: Uma Odisseia", um monumento de meticulosa investigação ao longo de 15 horas de duração (disponível no mercado do DVD).

Dir-se-ia que, através de "Os Olhos de Orson Welles", Cousins acrescenta um capítulo à sua história, confirmando que os seus sentidos (históricos, precisamente) não são um fim em si mesmo, antes se confundem com uma questão sempre em aberto. Dito de outro modo: através da cumplicidade da filha do cineasta, Beatrice Welles, Cousins acedeu a um imenso espólio de desenhos e pinturas que nos leva a descobrir um "novo" Welles.

Em boa verdade, tais desenhos e pinturas surgem como pontuações, ora didácticas, ora irónicas, descritivas e analíticas, daquilo que Welles ia vendo ou imaginando. Muitas das obras têm, como é óbvio, uma relação directa com os filmes, em particular com os "shakespeareanos", com destaque para "As Badaladas da Meia-Noite" (1965), antecipando guarda-roupa ou cenários — mas há sempre nelas uma visão suplementar que, de alguma maneira, nos permite aceder ao Welles visionário.

"Os Olhos de Orson Welles" consegue, em última instância, ensinar-nos a compreender que qualquer história dos elementos cinematográficos se escreve sempre para lá da especificidade desses elementos. Em tempos de aceleração do marketing dos filmes e apagamento de muitas memórias cinematográficas, Cousins é um bom companheiro cinéfilo.

Crítica de João Lopes
publicado 22:40 - 14 junho '19

Recomendamos: Veja mais Críticas de João Lopes