Estreias  

Público e privado, drama e humor

Agnès Jaoui e Jean-Pierre Bacri continuam a escrever, interpretar e realizar (no caso de Jaoui) comédias dramáticas sobre as ambivalências sociais — "Na Praça Pública" confirma a eficácia do seu olhar e das suas histórias.

Público e privado, drama e humor
Agnès Haoui (ao centro), com Jean-Pierre Bacri, durante a rodagem de "Na Praça Pública"
Crítica de
Subscrição das suas críticas
135
Trailer/Cartaz/Sinopse:
 Público e privado, drama e humor
Na Praça Pública Castro, uma antiga estrela do pequeno ecrã, é hoje um apresentador em declínio. Manu, o seu motorista, leva-o à festa de Nathalie, sua produtora e amiga de longa data. Hélène, irmã de Nathalie e ex-mulher de Castro, também foi convidada. Quando eram jovens, partilhavam os mesmos ideais, mas o sucesso tornou Castro mais pragmático (ou mais cínico), enquanto Hélène permaneceu fiel às suas ...

Vale a pena lembrar o impacto comercial de "O Gosto dos Outros" (2000), a primeira colaboração tripartida de Agnès Jaoui e Jean-Pierre Bacri. É verdade que, antes, tinham já dado um contributo precioso à filmografia de Alain Resnais (1922-2014), como argumentistas de "Fumar/Não Fumar" (1993) e "É Sempre a Mesma Cantiga" (1997). Mas foi em "O Gosto dos Outros" que surgiram como argumentistas, intérpretes e ainda Jaoui a assumir a realização (seria, aliás, a sua estreia nessa função).

E vale a pena lembrar tal impacto porque nele se configuram duas verdades rudimentares, não poucas vezes menosprezadas por algumas vozes mediáticas: primeiro, não são apenas os títulos de raiz americana que conseguem excelentes performances comerciais; segundo, continua a haver no cinema francês um gosto pelas convulsões da comédia que não desiste de uma arte específica de contar histórias.

Datado de 2018, agora estreado nas salas portuguesas, "Na Praça Pública" é a quinta colaboração de Jaoui e Bacri (com as funções atrás citadas) e o menos que se pode dizer é que o modelo resiste — e persiste. É um facto que a realização de Jaoui nem sempre controla a "agitação" de uma câmara que talvez ganhasse em adoptar um olhar mais contemplativo para o trabalho do magnífico elenco. O certo é que há neste cinema uma consciência das clivagens sociais que nada tem a ver com a futilidade "social" das nossas "redes".

Como sempre, o ponto de partida envolve uma situação convencional, mais ou menos caricata: uma festa numa casa de campo, centrada na figura algo decadente de Castro (Bacri), um apresentador de televisão cujas audiências já tiveram dias mais risonhos... A partir daí, o que mais conta é o modo como aquele microcosmos reflecte o ziguezague entre os rituais sociais e o seu recalcado.

Sem procurar quaisquer simbolismos "generalistas", o trabalho de Jaoui e Bacri sabe expor as tensões entre o público e o privado, ao mesmo tempo que, com agilidade, faz oscilar o filme entre a crueza do drama e o poder libertador do humor. Por vezes, há personagens que descobrimos na nudez da sua falsidade ou hipocrisia... Na verdade, convém não esquecer que este é um cinema habitado por uma ternura tecida de muitas formas de crueldade.

Crítica de João Lopes
publicado 21:28 - 18 outubro '19

Recomendamos: Veja mais Críticas de João Lopes