Estreias  

Ser ou não ser um brinquedo

Revelando uma invulgar capacidade de resistência no interior da actual produção de desenhos animados, aí está o quarto capítulo da saga de "Toy Story", ainda e sempre com chancela da Pixar — a fábula continua viva e contagiante.

Ser ou não ser um brinquedo
Forky está, literalmente, em boas mãos...
Crítica de
Subscrição das suas críticas
145
Trailer/Cartaz/Sinopse:
 Ser ou não ser um brinquedo
Toy Story 4 Woody sempre se sentiu confiante em relação ao seu lugar no mundo e que a sua prioridade era tomar conta da sua criança, quer fosse Andy ou Bonnie. Mas, quando Garfy, o novo boneco favorito criado por Bonnie se declara como lixo e não um brinquedo, Woody assume a responsabilidade de mostrar a Garfy porque se deve considerar um brinquedo. Quando Bonnie leva todo o grupo para a viagem com a sua ...

O novo herói de "Toy Story 4" é um... garfo! Mais excatamente, a pequenina Bonnie (Madeleine McGraw) conseguiu vencer o medo de enfrentar o seu novo ambiente — a escola —, inventando um amigo. Dito de outro modo: fabricou-o a partir de diversos objectos do dia a dia escolar, a começar por um... garfo. Deu-lhe um nome adequado ("Forky") e toda a sua existência passou a depender da companhia do novo brinquedo.

Do ponto de vista cinematográfico, a existência de Forky está longe de ser um detalhe. Se este quarto episódio da saga mais famosa da Pixar consegue reencontrar a energia do primeiro, lançado em 1995 (foi a primeira longa-metragem de animação totalmente gerada por computadores), isso resulta, antes do mais, de um muito elaborado, e também muito clássico, trabalho de escrita de argumento (em que estão envolvidos os veteranos John Lasseter e Andrew Stanton).

Não por acaso, a passagem dos anos (os episódios 2 e 3 surgiram em 1999 e 2010, respectivamente) foi sendo integrada na dinâmica das personagens, em particular nas múltiplas relações dos brinquedos com as crianças — preservando sempre, convém sublinhar, o tabu que faz com que os humanos não saibam que os brinquedos têm vida própria...

Naturalmente, em destaque voltam a estar o cowboy Woody (Tom Hanks) e o astronauta Buzz Lightyear (Tim Allen), este a continuar a manifestar sérias dificuldades para compreender que é um... brinquedo. Aquilo que os move é, em última instância, a mais tradicional linha dramática das fábulas infantis. A saber: o que significa pertencer a uma comunidade?

A complexidade dos desenhos, em especial na volumetria das personagens e na sua interacção "física", atingiu um impressionante grau de sofisticação. Mas não há uma única cena em que "Toy Story 4", dirigido por Josh Cooley (a estrear-se na realização, depois de ter passado por vários departamentos criativos da Pixar), ceda à tentação de "exibir" o seu know-how tecnológico — é uma boa forma de demarcar o projecto, quer dizer, o seu conceito de espectáculo, das rotinas que passaram a dominar os super-heróis.

Crítica de João Lopes
publicado 02:22 - 29 junho '19

Recomendamos: Veja mais Críticas de João Lopes