Cannes, o festival, os seus filmes e as salas deles
UG Normandie, Paris (3 junho 2020): anunciando a selecção oficial de Cannes...

Cannes 2020  

Cannes, o festival, os seus filmes e as salas deles

O Festival de Cannes de 2020 não vai acontecer, o que não quer dizer que o certame não tenha escolhido os "seus" filmes: o anúncio da selecção oficial renovou a fundamental defesa do circuito das salas.

Artigo recomendado:
Cannes, o festival, os seus filmes e as salas deles
56 filmes na seleção oficial do Festival de Cannes que não vai acontecer Os organizadores do Festival de Cannes revelaram hoje os títulos da seleção oficial apesar do cancelamento das sessões deste ano.

Perto do final da apresentação da selecção oficial de Cannes 2020, Pierre Lescure, o presidente do festival, brincou com Thierry Frémaux, o seu delegado-geral, dizendo que, desta vez, não havia ninguém para perguntar: "Então não há filmes italianos?..."

É verdade: a plateia do UGC Normandie, a sala de Paris que, tradicionalmente, acolhe estas formalidades, era, afinal, um estúdio vazio (para a transmissão, em directo, do Canal +). Por isso, e apesar do carácter positivo dos discursos, o cerimonial foi inevitavelmente pontuado por uma nota de tristeza.

Os filmes de Wes Anderson, François Ozon, Viggo Mortensen (é um dos estreantes na realização a integrar a selecção oficial), Steve McQueen ou Thomas Vinterberg vão ficar como símbolos paradoxais de uma 73ª edição que... não aconteceu.

Dito isto, convém lembrar e, de algum modo, reforçar o outro lado da questão. As palavras que foram ditas, em particular por Frémaux (reforçando o que já escrevera num texto previamente divulgado no site oficial do festival), envolvem três opções de grande firmeza e significado:
— em primeiro lugar, trata-se de apoiar os títulos escolhidos, dando-lhes uma visibilidade imediata, em particular para o Mercado do Filme (que irá acontecer em versão virtual, de 22 a 26 de junho);
— depois, estão abertos caminhos para que muitos desses filmes venham a ser exibidos, com a chancela de Cannes, em diversos festivais que se realizarão no segundo semestre do ano, como Toronto, San Sebastian e Roma, ou ainda Sundance (já em janeiro de 2021);
— finalmente, tudo isto só faz sentido em função de uma lógica de fundo: “(...) depois de meses de encerramento, a reabertura das salas de cinema é uma questão crucial.”

Quer isto dizer que a resistência dos organizadores do Festival de Cannes a "transferirem" o seu evento para a Net adquire, agora, mais do que nunca, o seu significado pleno. Daí a mensagem pedagógica: não se trata de ignorar ou desvalorizar o lugar hoje em dia ocupado pelas plataformas de "streaming"; trata-se, ainda e sempre, de reafirmar e defender o circuito das salas como elemento fundamental, não dispensável, da identidade comercial & cultural do próprio cinema. 

por
publicado 23:28 - 03 junho '20

Recomendamos: Veja mais Artigos de