Charlie Kaufman reentra nos meandros da mente
Duke Johnson e Charlie Kaufman num dos cenários de "Anomalisa".

VENEZA 2015: "ANOMALISA"  

Charlie Kaufman reentra nos meandros da mente

O novo projeto do realizador de "Queres Ser John Malkovich?" é um filme animado sobre a solidão e a depressão. Destaca-se na competição oficial de Veneza.

A mente continua a ser o território onde os filmes de Charlie Kaufman acontecem. O argumentista de "Queres Ser John Malkovich?", "Inadaptado", "Confissões de uma Mente Perigosa" e "O Despertar da Mente" adapta uma peça teatral que é um estudo sobre o comportamento humano e um distúrbio de ordem mental.

Do ponto de vista clínico o filme aborda a síndrome de fragoli, uma doença neurológica rara que se manifesta através da incapacidade para diferenciar os outros. Os indivíduos que sofrem deste problema encaram as outras pessoas como igualmente estranhas ou reconhecíveis.

Michael Stone (voz de David Thewlis) está nessa situação, que se manifesta sobretudo com aqueles que lhe são próximos, desde logo a mulher, que tem uma voz e uma aparência igual a tantas outras pessoas.

O processo de alheamento afetivo manifesta-se de forma eficaz através da voz - para Michael todas as vozes tendem a ser semelhantes e ele vive num mundo monocórdico. O argumento adapta uma peça de rádio que foi encenada com os atores interpretando fora do palco, com música de Carter Burwell's. Tratava-se de um projeto para um teatro dedicado a peças auditivas.

Este desapego emocional é o ponto essencial da narrativa: Michael sente-se infeliz porque não consegue tirar prazer das relações, nomeadamente com as pessoas mais próximas. A exceção acontece quando se envolve ocasionalemente com uma rapariga vulgar, insegura e com baixa auto-estima, chamada Lisa (voz de Jennifer Jason Leight). Michal chama-lhe Anomalisa por causa do aspeto dela mas sobretudo porque consegue ter prazer em ouvir a sua voz.

Charlie Kaufman adaptou a peça teatral para o cinema e dirigiu o filme com Duke Johnson, um especialista em stop motion. Ambos optaram por  assumir o lado artesanal das marionetas para acentuar o movimento mecânica, em vez de colorir as imagens na pós produção, como é habitual nos filmes deste género.

Assim, "Anomalisa" tem um aspeto austero, estranho, que se adequa a um conto contemporâneo sobre a solidão e a depressão.

O filme foi desenvolvido graças de uma campanha bem sucedida de crowdfunding e em 2012 tornou-se no projeto de cinema a gerar mais receita através desta forma de financiamento. É uma animação muito singular que encontrará dificuldades de distribuição fora dos circuítos dos festivais de cinema. A não ser que ganhe outra projeção atraves de um prémio no Festival de Veneza. Não é descabido que aconteça porque "Anomalisa" destaca-se na competição.

por
publicado 23:40 - 08 setembro '15

Recomendamos: Veja mais Artigos de Veneza 2015Animação