Estreias  

Da biografia ao simbolismo

Mais uma vez, um filme biográfico sobre uma figura da história da música tende a reduzir-se a um "panfleto"; em qualquer caso, a composição de Tilda Cobham-Hervey é um trunfo forte na evocação da cantora australiana Helen Reddy.

Da biografia ao simbolismo
A composição de Tilda Cobham-Hervey é o melhor de uma biografia convencional
Crítica de
Subscrição das suas críticas
125

O filme "I Am Woman" ficou como uma espécie de testamento acidental da cantora australiana Helen Reddy. De facto, a sua estreia ocorreu na Austrália, a 28 de Agosto de 2020, tendo Reddy falecido um mês mais tarde, a 29 de Setembro, contava 78 anos.

Na verdade, a sua herança não será muito conhecida das gerações mais novas, nessa medida importando reconhecer que o filme, dirigido por Unjoo Moon, realizadora também australiana, tenta, pelo menos, que a sua figura seja enquadrada na época da sua fama — em particular, precisamente, através de "I Am Woman", canção que lhe valeu um Grammy de melhor intérprete pop.


É um facto que, sobretudo nos EUA, "I Am Woman" acabou por se tornar um "hino" dos movimentos feministas da década de 1970. O que, em qualquer caso, não justifica que o filme se apresente todo ele contaminado por um vício "panfletário", cada vez mais frequente em biografias cinematográficas deste género.

Digamos que estamos perante o síndrome "Bohemian Rhapsody". O subtítulo português, "A Voz da Mudança", apenas reforça tal simplismo — como se as personagens, obrigatoriamente "heróicas", apenas existissem como símbolos mais ou menos redentores.

Seja como for, e apesar de tudo, sublinhemos dois aspectos: primeiro, a presença das próprias canções que, na sua singularidade, permitem perceber que não era fácil a afirmação do estilo de Reddy num contexto de mercado ainda muito marcado pelas revoluções musicais dos anos 60 e, em especial, pela herança dos Beatles; depois, a competência da composição de Tilda Cobham-Hervey, garantindo, pelo menos, que a sua Helen Reddy é uma pessoa viva e contrastada, não um mero emblema para ornar uma "bandeira".

Crítica de João Lopes
publicado 21:33 - 16 outubro '20

Recomendamos: Veja mais Críticas de João Lopes