Estreias  

Entre ficção e documentário

Eis um filme cuja actualidade é, obviamente, incontornável: "Fátima", de João Canijo, encena a peregrinação de um grupo de mulheres, apostando num registo narrativo que relança o método aplicado pelo realizador em "Sangue do Meu Sangue".

Entre ficção e documentário
"Fátima": uma ficção filmada como uma reportagem
Crítica de
Subscrição das suas críticas
135
Trailer/Cartaz/Sinopse:
 Entre ficção e documentário
Fátima Maio de 2016. Um grupo de onze mulheres parte de Vinhais, Trás-os-Montes, em peregrinação a Fátima. Ao longo de nove dias e quatrocentos quilómetros, atravessam meio país em esforço e sacrifício para cumprir as suas promessas. O cansaço e o sofrimento extremos levam-nas a momentos de ruptura. Revelam-se então as suas identidades e motivações mais profundas. Chegadas a Fátima, cada uma terá que ...

O novo filme de João Canijo, "Fátima", explora um modelo de organização narrativa que, embora não sendo uma novidade na história dos géneros cinematográficos, tem tido em Canijo, justamente, um dos principais experimentadores portugueses. Trata-se de discutir as fronteiras tradicionais entre artifício "construído" e reportagem "espontânea", convocando o espectador para um realismo à flor da pele.

Na trajectória do realizador, "Sangue do Meu Sangue" (2011) constitui, obviamente, o momento fulcral de tal lógica criativa. E mesmo que possamos considerar que "Fátima" não atinge as intensidades, nem possui a consistência global, desse título anterior, o certo é que estamos perante a mesma sedutora estratégia. A saber: uma ficção que foi filmada como uma reportagem.

Daí a estratégia de acumulação que sustenta o filme. Na verdade, "Fátima" parece abdicar de qualquer "explicação" (religiosa, social, psicológica) para o facto de aquelas mulheres desenvolverem um esforço imenso para chegar ao Santuário de Fátima. É bem provável que, desse modo, o filme aliene a cumplicidade, ou a mais básica disponibilidade, de muitos espectadores — o certo é que o sentimento de duração constitui, em última instância, o seu tema nuclear.

Escusado será sublinhar que, poucos dias antes da visita do Papa Francisco a Fátima, este é um filme, por assim dizer, sancionado pela actualidade. E faz sentido que assim seja. Por um fundamental paradoxo: por um lado, trata-se de convocar o público através de sinais concretos do seu/nosso tempo; por outro lado, propõe-se uma visão que se afaste das convenções narrativas e simbólicas dominantes no espaço mediático.

Crítica de João Lopes
publicado 22:17 - 27 abril '17

Recomendamos: Veja mais Críticas de João Lopes