Festival de Cinema de Gotemburgo: uma ilha deserta, 70 filmes, uma espectadora
Esta é a paisagem promocional do festival que só tem uma espectadora

Festival  

Festival de Cinema de Gotemburgo: uma ilha deserta, 70 filmes, uma espectadora

Os suecos tentam fugir ao "novo normal" com um conceito que mistura loucura e brilhantismo. E há uma coprodução portuguesa envolvida.

Uma ilha deserta, 70 filmes. Um só espectador. Bem-vindos ao Festival de Cinema de Gotemburgo, edição pandemia.

A pandemia veio forçar os festivais de cinema a adaptarem-se a esta "nova normalidade", transformando as suas edições em formatos online. O Festival de Gotemburgo, na Suécia, não se conformou com o convencional e lançou um passatempo para 2021 que irá complementar as exibições via Internet para o público em geral.

Sem multidões, festas, ou cinemas esgotados, o tema do festival deste ano é "Distâncias Sociais", explora o novo mundo que surgiu com a COVID-19 e interroga-se sobre o significado do cinema quando estamos isolados de tudo o resto? Para o descobrir, os organizadores abriram uma sala de cinema na minúscula ilha Pater Noster, no meio do oceano, e selecionaram uma pessoa foi entre mais de 12 mil candidaturas.

A vencedora, Lisa Enroth, cinéfila entusiasta e enfermeira que esteve diretamente envolvida no tratamento de doentes com COVID-19, está a passar uma semana numa ilha deserta, a assistir aos 70 filmes que fazem parte da programação do festival e a documentar a experiência através de um vídeo-diário disponível online.

Entre os títulos em exibição, está "O Último Banho", primeira longa-metragem de David Bonneville, uma coprodução luso francesa, entre a C.R.I.M. e a Bocalupo Films que, depois da estreia mundial em Tóquio e da passagem pela Mostra Internacional de São Paulo, estará presente a 4 de fevereiro no Festival Internacional de Cinema de Gotemburgo.

Inaugurado em colaboração com o ex-presidente honorário do festival, Ingmar Bergman, em 2007, O Festival de Cinema de Gotemburgo premeia cineastas emergentes que "tratem de um tema existencial com uma abordagem dinâmica ou experimental aos meios de expressão cinematográficos". Entre os vencedores anteriores estão cineastas como Andrea Arnold, Derek Cianfrance, Fernando Guzzoni e, no ano passado, David Zonana.

por

Recomendamos: Veja mais Artigos de Festival