Realismo e psicologia segundo Kurosawa
Takashi Shimura (à direita) foi um dos mais populares actores do cinema japonês

Clássicos  

Realismo e psicologia segundo Kurosawa

No ciclo de filmes de Akira Kurosawa que está a decorrer em várias salas do país, "Viver" (1952) merece um destaque muito especial: o cineasta das grandes produções épicas foi também um subtil retratista do quotidiano do pós-guerra.

Artigo recomendado:
Realismo e psicologia segundo Kurosawa
Reposições
Redescobrindo Akira Kurosawa Continuam as reposições de grandes clássicos, agora revisitando a obra de um dos mestres do cinema do Japão: Akira Kurosawa. Serão exibidos ...

No ciclo de sete títulos da filmografia de Akira Kurosawa (apresentado pela Medeia Filmes), o reencontro com "Viver" (1952) merece um destaque muito especial.

Desde logo, porque a sua história íntima de um velho empregado de escritório, em Tóquio, que vem a saber que sofre de uma doença terminal contraria a imagem convencional de Kurosawa como um "gestor" de épicos sobre conflitos de samurais; depois, porque "Viver", ainda que conhecido em Portugal (passou na Cinemateca, por exemplo), nunca foi estreado nas salas do circuito comercial.

"Viver" permite-nos também corrigir a ideia de um Kurosawa apenas ligado a actores com a aura mitológica de "guerreiros", como foi o caso de Toshiro Mifune (brilhante, não é isso que está em causa). Na verdade, na sua singela intensidade psicológica, filmes como este permitem-nos reencontrar outro nome lendário do cinema japonês, Takashi Shimura, por certo menos conhecido das plateias ocidentais, mas não de menor talento.


Nestes tempos em que, nos mais variados contextos, temos assistido a uma reafirmação dos valores realistas, "Viver", primorosamente fotografado a preto e branco pelo mestre Asakazu Nakai, é também a prova cabal da perenidade de tais valores. 

Kurosawa consegue retratar a sua personagem central através de infinitas nuances emocionais, sem nunca deixar de coleccionar sinais mais ou menos discretos, mas muito reveladores, da reconversão da sociedade japonesa no pós-Segunda Guerra Mundial. Enfim, um filme cuja inscrição no seu tempo não anula, bem pelo contrário, a sua ressonância no nosso presente.

por
publicado 23:40 - 02 outubro '20

Recomendamos: Veja mais Artigos de Cinema Asiático