Zelensky evoca Chaplin na abertura do festival

Cannes 2022  

Zelensky evoca Chaplin na abertura do festival

O presidente ucrâniano foi o convidado surpresa do primeiro dia em Cannes com uma comunicação por vídeo a partir de Kiev.

"Precisamos de um novo Chaplin que prove que o cinema não é silencioso" face à guerra: o Festival de Cannes deu um tom político à sua 75ª edição ao oferecer o palco ao Presidente ucraniano Volodymyr Zelensky que falou a partir de Kiev.

O aparecimento inesperado do rosto do presidente ucraniano no ecrã do Palácio dos Festivais foi seguido de uma longa ovação da elite cinematográfica mundial, reunida para a cerimónia de abertura de um festival que prometeu que a guerra estaria "na mente de todos".

"Vamos continuar a lutar, não temos outra escolha (...) Estou convencido de que o 'ditador' vai perder", continuou Volodymyr Zelensky, referindo-se ao Presidente russo Vladimir Putin e ao filme de Charlie Chaplin, que citou várias vezes.

Na Ucrânia, "centenas de pessoas estão a morrer todos os dias". Será que o cinema vai ficar calado, ou vai falar sobre isso? Se há um ditador, se há uma guerra pela liberdade, mais uma vez, tudo depende da nossa unidade. Então, poderá o cinema permanecer fora desta unidade?

Esta intervenção escreve uma nova página na longa história política do Festival, fundado em 1939 para se opor ao Festival de Veneza criado pela Itália fascista, mas cuja primeira edição não pôde ser realizada até 1946 devido à guerra.

Arma de emoção massiva

"O Festival nunca deixou de acolher, proteger e reunir os maiores cineastas do seu tempo", disse antes o presidente do júri, Vincent Lindon, recordando a "linha artística e cívica" deste evento global. "Podemos fazer outra coisa que não seja usar o cinema, esta arma de emoção massiva, para despertar as consciências e abanar a indiferença? Não consigo imaginá-lo", disse.

Para além da proibição das delegações oficiais russas, anunciada após a invasão, a selecção oficial este ano traz também a sombra da guerra. O filme que abre o concurso na quarta-feira é "A Mulher de Tchaikovsky", do dissidente russo Kirill Serebrennikov. Mais tarde, serão também exibidos filmes dos ucranianos Sergei Loznitsa e Maksim Nakonechnyi, bem como o último filme do realizador lituano Mantas Kvedaravicius, que foi morto na Ucrânia no início de Abril, "Mariupolis 2".

Whitaker premiado

Apesar do contexto, em Cannes, "o espectáculo tem de continuar": Julianne Moore, que protagoniza o primeiro filme de Jesse Eisenberg como realizador e Forest Whitaker forneceram a quota de glamour, tendo este último recebido a Palma de Ouro pela sua carreira.

Aos 60 anos, o actor cuja carreira foi marcada pelo Óscar que ganhou pela sua interpretação do ditador ugandês Idi Amin Dada, em "O Último Rei da Escócia" (2007) é um habitual na Croisette, tendo ganho o prémio de interpretação em 1988 por "Bird" de Clint Eastwood.

Esse prémio "mudou a minha vida, permitiu-me ser reconhecido como artista e respeitado como actor em todo o mundo", afirmou em Cannes. "Era realmente uma criança na altura (26 anos), no sentido em que não estava habituada a entrevistas e não sabia como responder. Lembro-me de na véspera da cerimónia de entrega de prémios, estar no quarto em Cannes com o meu irmão e ele disse-me: 'Imagina que és tu a ganhar'. E eu disse-lhe: 'Estás a falar a sério?'"

por

Recomendamos: Veja mais Artigos de Cannes 2022