Cultura

Eleanor Catton no Festival Literário da Madeira

O Festival Literário da Madeira está de volta entre 13 e 17 de março subordinado ao tema “Jornalismo e Literatura – A Palavra que Prende, A Palavra que Liberta”

Eleanor Catton no Festival Literário da Madeira

Eleanor Catton, autora de "Ensaio" e de "Os Luminares", que lhe deu o Prémio Man Booker, em 2013. © Robert Catto

A escritora canadiana de origem neozelandesa Eleanor Catton, vencedora do prémio Man Booker, e a cantora portuguesa Aldina Duarte são duas convidadas hoje anunciadas pela organização do festival, assim como as autoras Ottessa Moshfegh, norte-americana de origem croata-iraniana, e a finlandesa Sofi Oksanen.

A edição deste ano do FLM reúne no arquipélago “grandes nomes da literatura, do jornalismo e da música”, acrescenta o comunicado, sublinhando que o programa fica marcado “por forte presença feminina de várias partes do mundo”.

“Vários autores, entre os quais os que também conjugam a escrita ficcional com a escrita jornalística, estarão no Funchal" para falar "sobre como se distanciam ou aproximam da atualidade".

"São cinco dias dedicados aos artífices da palavra e ao público madeirense”, pode ler-se no mesmo comunicado.

O programa inclui um espetáculo de Aldina Duarte, no Teatro Municipal Baltazar Dias, sobre o seu mais recente álbum, “Quando se ama loucamente”, inspirado na obra da escritora Maria Gabriela Llansol.

A organização, em comunicado, adianta igualmente que estão confirmadas as participações de Eleanor Catton, autora de "Ensaio" e de "Os Luminares", que lhe deu o Prémio Man Booker, em 2013 - dois livros editados em Portugal -, de Otessa Moshfegh, autora de "O Meu Nome Era Eileen", livro que a levou à 'short list' do Man Booker, em 2016, e de Sofi Oksanen, autora de "Quando as Pombas Desaparecem", que recebeu, entre outros, o Prémio Nórdico da Academia Sueca.

O festival é da responsabilidade da associação Eventos Culturais do Atlântico (ECA), que tem por objetivo a “promoção sociocultural, através do fomento da prática artística e pedagógica, da organização de eventos nacionais e transfronteiriços e do desenvolvimento das novas tecnologias da comunicação e da informação”.

A ECA recorda que, por anteriores edições deste festival, passaram autores premiados das mais diversas nacionalidades, como Eduardo Lourenço, Alberto Manguel, Helder Macedo, Naomi Wolf, Gonçalo M. Tavares, Mia Couto, Samar Yazbek, Ondjaki, Lídia Jorge, Frederico Lourenço, Eimear McBride, Adam Johnson, Pepetela e o ensaísta Zygmunt Bauman, que morreu no ano passado.


LUSA