Desporto

Rali do Marítimo-Machico com 25 equipas inscritas e confirmadas. 4 estão condicionadas, podendo passar a 29 participantes

Organização e patrocinadores reuniram e encontram soluções para levar o rali para a estrada

Rali do Marítimo-Machico com 25 equipas inscritas e confirmadas. 4 estão condicionadas, podendo passar a 29 participantes
O Rali do Marítimo-Machico vai mesmo acontecer. 

Face ao número de inscritos, que acabou por subir nas últimas horas, e com a reunião positiva entre organização, patrocinadores e parceiros foi decidido avançar com a sétima prova do campeonato regional de ralis.

25 equipas estão inscritas e confirmadas na prova, sendo que quatro estão condicionadas, podendo a lista de inscritos passar a 29 participantes.

Quem vai marcar presença nesta prova, mas a competir é Paulo Antunes o responsável máximo pela PT Racing, navegado pelo madeirense Jorge Goncalves e aos comandos de um Peugeot 208 R2.

O Citroen DS3 R1 com a missão de carro zero vai estar na prova verde-rubra pelas mãos do piloto continental Rodrigo Gonçalves e o navegador madeirense Duarte Lagos.

Dos habituais participantes do campeonato deste ano de ralis, 11 equipas acabaram por não se inscreveram no Rali de Machico.

Quem não se inscreveu foi o líder do campeonato Alexandre Camacho, que lidera com 141,75 pontos, faltando ao vencedor do Rali Vinho Madeira 1,63 pontos para se sagrar campeão regional.

Rui Pinto é segundo com 100,48 pontos que está inscrito no rali com o Ford Focus WRC e João Silva é terceiro com 84,24 e está inscrito com o Citroen DS3 R5. A equipa repensou a decisão de não competir mais no campeonato deste ano e hoje confirmou o volte-face inscrevendo-se no Rali do Marítimo.

A vantagem pontual que Alexandre Camacho tem no campeonato, a equipa das Vespas decidiu ficar de fora deste rali e esperar pelo desfecho do mesmo em termos de pontos. E a participar no Rali do Porto Santo, será com um Peugeot 208 mas a versão R2.

É que Rui Pinto e João Silva em condições normais vão lutar pela vitória no rali e com os pontos extras atribuídos nas vitórias das classificativas, os dois pilotos correm o risco de “roubar” pontos um ao outro. Quem beneficia com isso é Alexandre Camacho e Pedro Calado que pode até se sagrarem campeões no próximo fim-de-semana sem competirem.

Lá está, tudo depende do desfecho do rali em termos de pontos à geral e vitórias nas classificativas.

Mas fazendo uma análise mais detalhada, o Rali de Machico pode ainda ajudar a que este campeonato seja mais “confuso” na atribuição de pontos.

É que o regulamento 8.5.1 do rali diz: A Super Especial será a soma da PEC 1 e a PEC 2. A pontuação extra será dada ao concorrente que tenha o melhor tempo na soma das duas partes ( PEC 1 + PEC2). 

Ora, se o Rali do Porto Santo acontecer e num cenário muito específico de vitórias à geral e nas classificativas tudo somado Rui Pinto pode perder o título para Alexandre Camacho por 0,31 pontos ou João Silva pode ver o título parar nas mãos da equipa das Vespas por 0,05 pontos.

Repitimos, isto num cenário muito específico de vitórias à geral e com algumas vitórias nas classificativas, das equipas de Rui Pinto e João Silva.

O Rali de Machico vai para a estrada nos dias 20 e 21 de outubro.