Economia

Bolsa de Lisboa em baixa com Galp a cair mais de 2%

A bolsa de Lisboa estava hoje em baixa, a manter a tendência da abertura, com as ações da Galp a caírem 2,19% para 10,94 euros.

Bolsa de Lisboa em baixa com Galp a cair mais de 2%

© DR

Cerca das 09h20 em Lisboa, o PSI recuava 0,17% para 6.034,37 pontos, com 10 'papéis' a descerem e cinco a subirem a cotação.

Às ações da Galp seguiam-se as da REN, Sonae e da Navigator, que se desvalorizavam 1,57% para 2,83 euros, 1,37% para 1,15 euros e 1,30% para 3,79 euros, respetivamente.

As ações da Altri, Jerónimo Martins e Corticeira Amorim eram outras das que mais desciam, designadamente 10,86% para 6,31 euros, 0,77% para 20,58 euros e 0,76% para 10,48 euros.

Em sentido contrário, EDP Renováveis, Greenvolt e EDP subiam 0,98% para 22,74 euros, 0,68% para 7,40 euros e 0,25% para 4,46 euros.

O PSI (Portugal Stock Index) é desde 21 de março o principal índice da Bolsa de Lisboa com uma primeira carteira composta por 15 das 19 empresas que integravam o antecessor PSI20.

Na Europa, as principais bolsas negociavam hoje em baixa, à espera do dado preliminar da inflação na zona euro em junho.

A tendência da abertura segue-se à registada na quinta-feira tanto em Wall Street como na Europa, motivada, segundo analistas citadas pela Efe, pelo receio cada vez mais instalado de uma recessão global.

Os principais índices europeus terminaram junho como o pior mês desde março de 2020 quando surgiu a pandemia da covid-19, enquanto em Wall Street o índice S&P500 marcou o pior semestre desde 1970.

Em junho, o Dow Jones perdeu 7,44%, o S&P500, 9,37% e o Nasdaq, 10,46%.

Analistas da Renta4 argumentam que a guerra da Ucrânia e a dependência de gás russo da Europa continua "a ser uma ameaça para o crescimento económico, elevando as probabilidades de recessão num contexto de tensão crescente".

Neste contexto, em que a inflação, a subida das taxas de juro e o receio de uma recessão atraem a atenção do mercado, na sessão de hoje a publicação da taxa de inflação preliminar da zona euro de junho será o protagonista.

No outro lado do Atlântico, Wall Street terminou em baixa na quinta-feira, com o Dow Jones a cair 0,82% para 30.775,43 pontos, contra o máximo desde que foi criado em 1896, de 36.799,65 pontos, registado em 04 de janeiro deste ano.

O Nasdaq fechou a desvalorizar-se 1,33% para 11.028,73 pontos, contra o atual máximo, de 16.057,44 pontos, verificado em 16 de novembro do ano passado.

A nível cambial, o euro abriu em baixa no mercado de câmbios de Frankfurt, a cotar-se a 1,0443 dólares, contra 1,0483 dólares na quinta-feira.

O barril de petróleo Brent para entrega em agosto abriu também em baixa no Intercontinental Exchange Futures (ICE) de Londres, a cotar-se a 114,81 dólares, contra 116,26 dólares na quinta-feira.


Lusa