Economia

Madeirenses são os que mais devem ao banco por causa da habitação

O montante médio em dívida para os contratos de crédito habitação aumentou na Madeira para os 58.127 euros. A nível nacional o valor do capital médio em dívida também aumentou para os 52.686 euros. Feitas as contas os madeirenses têm mais de 5 mil euros (5.441) para pagar do que os restantes portugueses.

Madeirenses são os que mais devem ao banco por causa da habitação
De acordo com a informação Instituto Nacional de Estatística (INE), “a taxa de juro implícita no crédito à habitação, na Madeira (RAM), manteve a trajetória de subida iniciada em dezembro de 2018, fixando-se em 1,027% em abril de 2019, registando assim um acréscimo de 0,012 pontos percentuais (p.p.) face ao mês anterior (1,015%). Em abril de 2018, a taxa era de 0,974%”.

A informação agora divulgada dá conta que “o valor médio da prestação vencida para o conjunto dos contratos de crédito à habitação aumentou para 272 euros, tendo os juros se fixado nos 50 euros (mais 1€ que no mês anterior) e a amortização nos 222 euros (o mesmo valor de março de 2019)”.

De acordo com o INE, “o montante do capital médio em dívida para os contratos de crédito à habitação aumentou para 58.127 euros (58.123 euros em março de 2019), sendo que há um ano era de 58.670 euros”.

O Instituto Nacional de Estatística revela ainda que “a nível nacional, e no conjunto dos contratos de crédito à habitação, a taxa de juro implícita situou-se em 1,073%, mais 0,007 p.p. que no mês anterior. A prestação média vencida para a globalidade dos contratos manteve-se nos 245 euros (o mesmo valor que no mês anterior), tendo o valor do capital médio em dívida aumentado para os 52.686 euros (52.609 euros no mês precedente).