Sociedade

Amazónia está a arder

Fogos na Amazónia estão a atingir um número recorde.

Amazónia está a arder

© AFP

O número de incêndios no Brasil cresceu 70% este ano e a Amazónia é o bioma mais afetado.

Os incêndios registados na Amazónia (72,843) durante este ano são já um recorde, de acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Jair Bolsonaro reagiu aos dados e, de forma irónica, diz que passou de "capitão motosserra" a "Nero", o imperador responsável pelo incêndio que devastou a cidade de Roma. "Agora estou a ser acusado de incendiar a Amazónia. Nero! É o Nero a por fogo a Amazónia". O Presidente brasileiro garante que "estamos apenas na época das queimadas".

O facto é que os incêndios na Amazónia estão a atingir um número recorde e o estado do Amazonas já decretou emergência no Sul e na capital Manaus devido ao "impacto negativo da desflorestação ilegal e queimadas não autorizadas", escreve a imprensa brasileira.

O INPE declarou que durante estas duas semanas em que o fogo consome a Amzónia já foram consumidos mais de 20 mil hectares de vegetação, e que três milhões de espécies de fauna e flora, além de um milhão de indígenas que vivem isolados na floresta.

Esta segunda-feira o céu de São Paulo escureceu de repente, por volta das 15h00, com a chegada de uma nuvem de fumo. A população queixa-se do ar irrespirável e das cinzas que caem do céu.




A Amazónia é a maior floresta tropical do mundo e possui a maior biodiversidade registada numa área do planeta. Tem cerca de cinco milhões e meio de quilómetros quadrados e inclui territórios do Brasil, Peru, Colômbia, Venezuela, Equador, Bolívia, Guiana, Suriname e Guiana Francesa (território pertencente à França).