Sociedade

Covid criou desigualdades na educação

A União Europeia admitiu hoje, véspera do Dia Internacional da Educação, que a pandemia aumentou as desigualdades na educação e teve um impacto “desproporcional” nos grupos “desfavorecidos”.

Covid criou desigualdades na educação
"A pandemia exacerbou as desigualdades na educação com um impacto desproporcional em grupos desfavorecidos em todo o mundo", disse o Alto Representante da UE para a Política Externa, Josep Borrell, em comunicado.

Segundo a informação, "mesmo antes da pandemia, 260 milhões de crianças e adolescentes em todo o mundo não recebiam educação" e os restantes "nem sempre tiveram acesso a uma educação de qualidade".

Aquele responsável frisou que a educação é “essencial para a recuperação global e para o alcance de todos os objetivos de desenvolvimento sustentável”.

“É um direito fundamental e a base de sociedades resilientes, pacíficas e sustentáveis. A educação é a base e um catalisador para a transição verde. Ela permite que os cidadãos aproveitem as oportunidades do desenvolvimento digital”, explicou.

Da mesma forma, destacou, a educação oferece “esperança e proteção aos afetados por crises humanitárias e deslocamentos forçados”.

"A educação de qualidade é uma parte vital do desenvolvimento de todas as crianças e jovens", acrescentou.

Bruxelas lembra que 2022 é o Ano Europeu da Juventude e no qual se assinala o 35.º aniversário do programa Erasmus.

"A UE reafirma a importância primordial de uma educação de qualidade para o desenvolvimento pessoal, social e profissional das crianças e jovens, dentro e fora da UE, para construir um futuro melhor e mais equitativo, reduzir as desigualdades socioeconómicas e de género e promover a paz e democracia", destacou.

A Comissão Europeia também sublinha as iniciativas comunitárias no domínio da educação e recorda que as instituições e os países da União “apoiam os países parceiros a transformar os seus sistemas educativos após a pandemia e a colmatar os défices e as desigualdades no ensino, formação e aprendizagem a todos os níveis”.

“A UE continua a ser uma voz de liderança na educação em emergências, proporcionando acesso a uma educação segura, inclusiva e de qualidade para milhões de crianças afetadas por crises humanitárias e conflitos".

É ainda referido que as instituições da UE e dos seus Estados-membros fornecem “mais de metade de toda a ajuda global à educação” e apoiam o setor “em mais de 100 países em todo o mundo”.

Entre 2021-2027, a Comissão Europeia dedicará "pelo menos 10%" do seu orçamento de parceria internacional com África, América Latina e Caraíbas e Ásia e Pacífico, bem como 10% do seu orçamento de ajuda humanitária, à educação.