Sociedade

Funchal prepara plano estratégico para orientar a cultura na próxima década

A Câmara Municipal do Funchal vai elaborar um "plano estratégico" para a cultura no concelho, vocacionado para a próxima década, informou hoje o executivo camarário, indicando que a primeira etapa consiste no "mapeamento cultural" da cidade.

Funchal prepara plano estratégico para orientar a cultura na próxima década
"Este projeto surge na sequência do trabalho de referência realizado ao nível da cultura no Funchal nos últimos anos e concretiza uma reivindicação antiga dos agentes culturais, replicando o que está a ser desenhado por outras cidades a nível nacional, como Aveiro, Braga, Faro, Lisboa, Porto e Coimbra", esclarece em comunicado.

A autarquia, presidida por Miguel Gouveia (coligação Confiança - PS/BE/PDR/Nós, Cidadãos!), pretende, numa primeira fase, até ao final do ano, auscultar os agentes culturais e promover uma "reflexão partilhada" com decisores políticos, técnicos municipais e peritos, com vista à apresentação dos principais eixos estruturais a conter no plano estratégico.

O projeto, designado 'Funchal Cultura 2030', inclui a realização de seis sessões, em formato 'web' e em direto, com a participação de 30 agentes culturais das áreas do teatro, música, museologia, dança, literatura e artes visuais.

"A primeira sessão, que terá como tema os museus e as galerias, irá acontecer na próxima sexta-feira, pelas 18:00, através da plataforma digital do Museu Henrique e Francisco Franco, com a participação de Diogo Costa Goes, Raquel Fraga, Ana Nóbrega e Esmeralda Lourenço", refere a autarquia.

No princípio de 2021, será apresentado o documento que orientará o projeto 'Funchal Cultura 2030'.

"O município do Funchal tem assumido a cultura como um eixo central das políticas públicas, sendo que pretende com este plano desenvolver e implementar uma estratégia cultural abrangente e clara; melhorar os mecanismos de comunicação e divulgação do setor; estimular o trabalho em rede e responder aos novos desafios que se avizinham para o setor", lê-se no comunicado.

C/Lusa