Ouvir
Caleidoscópio
Em Direto
Caleidoscópio GRANDES BATALHAS DA ANTIGUIDADE

Concertos

Javier Subatin e João Paulo Esteves da Silva | 11 Janeiro 19h00

Liceu Camões

|

Javier Subatin e João Paulo Esteves da Silva | 11 Janeiro 19h00 Javier Subatin e João Paulo Esteves da Silva | 11 Janeiro 19h00

© Jorge Carmona / Antena 2


11 Janeiro | 19h00
Auditório do Liceu Camões
Entrada livre


Javier Subatin e João Paulo Esteves da Silva 

Javier Subatin, guitarra e composição
João Paulo Esteves da Silva, piano






Programa

Autotelic

Javier Subatin (1985)
- #6
- #Solo
- #3
- #8
- #11
- #7





No mais recente trabalho de Javier Subatin, Autotelic, podemos encontrar composições em que o guitarrista procura por lugares comuns entre a improvisação contemporânea, a música erudita, a linguagem do jazz e os ritmos sul-americanos. 
No seio do conceito desta série de composições, representado pela palavra Autotelic, está música que não tem qualquer outro propósito senão a sua própria exploração e alcance artístico através da interação entre os músicos.






Transmissão direta
Realização e Apresentação: André Cunha Leal
Produção: Anabela Luís



Javier Subatin
 nasceu em Buenos Aires em 1985. Em 2002, com 17 anos, foi finalista do Concurso Internacional de Guitarra de Jazz do Oscar Alemán e em 2015, participou do Festival de Jazz de Montreux (Suíça) sendo selecionado para participar na competição de guitarra. Em 2017, participou como finalista na competição de compositores do Festival de Jazz de Komeda, na Polônia. 
Atualmente, tem três projetos onde explora diferentes configurações de grupos. Autotelic, é uma formação de piano e guitarra, com o consagrado pianista de jazz português João Paulo Esteves da Silva. Em maio de 2018 com o apoio da Sintoma Records e Antena2, lançou o segundo álbum, Variaciones
Compõe também para quinteto de jazz, com a colaboração dos mais relevantes músicos de jazz de Portugal: Pedro Moreira (sax), João Paulo Esteves da Siva (piano), André Rosinha (contrabaixo) e Diogo Alexandre (bateria). Também para trio (sax, guitarra e bateria) com o nome de Trance com jovens músicos de jazz emergentes em Portugal: Daniel Sousa (sax) e Diogo Alexandre (bateria). 
Em 2018, ganhou uma bolsa da Fundação GDA para a produção de seu segundo álbum Variações, que será lançado em 2019. Está a terminar o segundo ano do mestrado em performance de jazz na Escola Superior de Música de Lisboa. Escreveu um artigo sobre Contemporary Jazz Composition para o qual entrevistou 11 dos mais renomados compositores de jazz contemporâneos da Europa, América Latina e Estados Unidos, incluindo Carla Bley, David Liebman, Dan Tepfer, Ed Neumeister, Julian Arguelles, Reinier Baas, Roberto Bonati e Jon Balke. Tendo sido selecionado para apresentar na conferência Nova Contemporary Music Meeting, em Lisboa. 
Para além do Jazz está a começar na vertente clássica e sua peça Pensando Vientos (para flauta, clarinete, trompa e quarteto de cordas) foi selecionada para fazer parte de um workshop na conferência anual da Royal Music Association em Bristol. Além disso, ele está a coordenar uma pesquisa sobre o processo de composição de jazz com a colaboração do renomado compositor Ed Neumeister. 
É professor da Escola de Jazz da Fábrica do Braço de Prata, onde ensina guitarra jazz e produção de projetos de jazz.




João Paulo Esteves da Silva nasceu em Lisboa, em 1961. Dedica-se ativamente à música e à escrita. A partir de 1993, publicou vários discos, 17 em nome próprio, (para além de um sem número de colaborações), publicou cinco livros de poemas; assinou traduções para o teatro: Ibsen, Beckett, Stoppard, Rostand, Shakespeare, entre outros; compôs música para filmes e realizou uma curta-metragem Partitura
Estudioso apaixonado da língua hebraica, traduziu o livro Teoria do Um do poeta israelita Mordechai Geldman. O seu livro Tâmaras foi traduzido para hebraico e publicado em Israel. 
Dos seus trabalhos discográficos, destacam-se, Serra sem Fim, 1995, em quarteto, Memórias de Quem, solo, e o seu mais recente trabalho discográfico, Brightbird, Arjuna Music, 2017, em trio, com Mário Franco, contrabaixo e Samuel Rohrer, bateria.






Fotos Jorge Carmona / Antena 2 RTP