Ouvir
Coreto
Em Direto
Coreto Jorge Costa Pinto

Concertos

Marina Camponês e Clara Saleiro | 24 Novembro | 21h00

O’Culto da Ajuda

|

Marina Camponês e Clara Saleiro | 24 Novembro | 21h00 Marina Camponês e Clara Saleiro | 24 Novembro | 21h00

© Jorge Carmona / Antena 2


24 Novembro | 21h00
O'Culto da Ajuda

Festival Música Viva 2022


Ipsis Duo

Marina Camponês e Clara Saleiro - Duo de flautas


Programa

João Quinteiro Canção IV "Echo, Wiederholung und Metamorphose" / 2022 (estreia absoluta) 

Emmanuel Nunes (1941-2012) - Ludi Concertati / 1985 [para flauta baixo]

Hugo Vasco Reis Música para uma Passamanaria / 2022 [para flauta baixo]

Pedro Figueiredo Amini / 2022 (estreia absoluta) 

Ângela da Ponte We can't breathe / 2021 [para flauta e electrónica]

Philippe Hurel - Loops III / 2003 [para 2 flautas]




Ipsis Duo nasce da amizade entre duas flautistas e do seu entusiasmo pela música contemporânea, em particular de compositores portugueses. 
Neste concerto, Clara Saleiro e Marina Camponês apresentam-se com os seus quatro instrumentos: flautim, flauta em dó, flauta alto e flauta baixo, propondo ao ouvinte uma intensa e deslumbrante viagem sonora. 
Das seis peças a serem interpretadas, duas são estreias absolutas, e ambas escritas em 2022. Canção IV ‘Echo, Wiederholung und Metamorphose' (‘Eco, repetição e metamorfose'), do compositor João Quinteiro, convoca a atenção contínua do ouvinte ao explorar a ideia da irrepetibilidade, apesar dos movimentos de regresso e dos ecos. A segunda estreia, é a peça Animi, de Pedro Figueiredo. 
Mas para além destas duas estreias ouviremos ainda: We can't breath, de Ângela da Ponte para flauta em dó e electrónica, composta em 2021, cujo título remete para vivências do COVID-19. Música para uma Passamanaria, de Hugo Vasco Reis, composta em referência a uma fábrica de passamanarias, evoca o imaginário das linhas dos bordados. Do francês Philippe Hurel, Loops III constrói-se num princípio de aliteração, num desejo de tornar o som de dois instrumentos em um só. Por sua vez, escrita para um só instrumento, é a obra Ludi Concertati, composta em 1985 para flauta baixo solo por Emmanuel Nunes (1941-2012).




Transmissão direta
Apresentação: João Almeida
Produção: Cristina do Carmo



Marina Camponês | Iniciou os estudos musicais na Sociedade Filarmónica 25 Julho de Santa Margarida do Arrabal aos 12 anos. Mais tarde foi admitida no Orfeão de Leiria, na classe de João Pedro Fonseca, onde foi laureada por diversas vezes no concurso «O Melhor Aluno». Posteriormente, trabalhou em masterclasses com Vasco Gouveia, Sandra Pina, Averil Williams, Olavo Barros, Nuno Inácio, Sophie Pérrier, Trevor Wye, Claudio Arimany, William Bennett, Jacques Zoon, Robert Winn e Vicens Prats, entre outros.
Colabora regularmente com a Orquestra de Câmara Portuguesa, a Sinfonietta de Lisboa, a Camerata Amicis, a Orquestra Metropolitana de Lisboa e a Orquestra Gulbenkian.
É membro do ensemble de música contemporânea Lisbon Ensemble 20.21, com o qual participou no Festival Música Viva, na Temporada 2009/2010 da Fundação C. Gulbenkian, na Temporada de Música dos Açores 2011 e nos festivais de música de Viseu e Salamanca.
Apresentou‐se em público com diversas formações de música de câmara e a solo - em Lisboa, Porto e um pouco por todo o país -, destacando-se um recital com o pianista Francisco Sassetti na Casa da Música do Porto e os recitais com a cravista Joana Bagulho no Festival Cistermúsica 2011 e no programa Concerto Aberto da programação da Antena 2 em 2012, transmitido em direto.
Concluiu o bacharelato na Escola Superior de Música de Lisboa no ano de 2007, frequentando Classe de Flauta de Anthony Pringsheim e as Classes de Música de Câmara de Olga Prats e Nuno Inácio. Concluiu em 2009 a licenciatura na Academia Nacional Superior de Orquestra na Classe de Flauta de Nuno Inácio, tendo como nota de exame final 19 valores. Concluiu o mestrado em Ensino da Música na Academia Nacional Superior de Orquestra em parceria com a Universidade Lusíada, tendo como nota de exame final de Flauta Transversal 19 valores. Frequentou em 2015/2016 a pós-graduação em flauta transversal da Escola Superior de Música da Catalunha (ESMUC) na classe do professor Vicens Prats, solista da Orquestra de Paris.
Leciona Flauta Transversal e Música de Câmara na Escola Profissional Metropolitana, na Escola de Música Nossa Senhora do Cabo e na Academia de Música de Lisboa. Foi professora convidada no projeto OCP2 e JOP organizado pela Orquestra de Câmara Portuguesa em 2013 e 2014, no Estágio Nacional de Orquestra de Sopros de Portel de 2011 a 2014 e 2017, nas Jornadas de Música de Mafra 2015, no Ciclo de Masterclasses EPABI 2016 (Covilhã) e no I Ciclo de Masterclasses no Orfeão de Leiria (2017).
Conta com alunos laureados nos concursos nacionais Prémio Bomtempo, Paços Premium, Concurso de Flauta da EMNSC e Concurso Cultivarte.
Foi laureada com o 3.º Prémio no 18.º Concurso de Interpretação do Estoril (2016) e obteve o 1.º Prémio no concurso Prémio Jovens Músicos 2010, na Categoria de Flauta Transversal.
Apresentou-se como solista com a Orquestra Gulbenkian e com a Orquestra Metropolitana de Lisboa.



Clara Saleiro | Flautista especializada na interpretação de música contemporânea que adora as experiências novas e desafios que a música lhe proporciona constantemente.
Interessa-se pelo processo criativo na construção de obras e espetáculos; pela interação entre intérprete e compositor, entre a música e outras áreas artísticas; pela simbiose com a música eletrónica e as tecnologias digitais; pela interpretação de música notada e pela improvisação.
Como membro fundador de Noviga Projekto (AT), bem como flautista dos ensembles Vertixe Sonora (ES), Barcelona Modern (ES) e SUPERNOVA (PT), estreia todos os anos dezenas de obras de compositores com quem trabalha diretamente e participa regularmente em festivais internacionais de música.
Clara Saleiro é convidada a colaborar regularmente com diferentes ensembles, orquestras e em variadas formações de câmara, que abrangem desde repertório clássico a contemporâneo, bem como com grupos de música exploratória e improvisada. É flautista do Pedro Melo Alves' Omniae Large Ensemble (PT).
Iniciou os estudos musicais na Academia de Música S. Pio X de Vila do Conde. O seu percurso académico segue-se por instituições como a Artave, ANSO - Metropolitana, Universidade de Aveiro e Royal Academy of Music, em Londres. Especializou-se em música contemporânea no estúdio particular de Stephanie Wagner (Remix Ensemble); na Kunstuniversität Graz, na Áustria, onde realizou uma pós-graduação com o Klangforum Wien; e na Lucerne Festival Academy, na Suiça, sendo membro da Lucerne Festival Contemporary Orchestra. Frequentou o curso de improvisação da Interferência.
A presente temporada inclui a participação nos festivais Cultura em Expansão, Vertixe10, Música Viva, Sampler, Barcelona Modern, Visions, bem como concertos na Alemanha, Áustria, Espanha, Hong Kong e Portugal.











 
João Quinteiro 

Hugo Vasco Reis

Pedro Figueiredo

Miguel Azguime



Fotos Jorge Carmona / Antena 2