Ouvir
Vibrato
Em Direto
Vibrato Pedro Rafael Costa

Cultura

4 Documentários de Eduardo Breda | RTP Palco

A partir de 10 de Outubro

|

4 Documentários de Eduardo Breda | RTP Palco 4 Documentários de Eduardo Breda | RTP Palco

RTP Palco apresenta, a partir de 10 de Outubro, quatro Documentários de Eduardo Breda, sobre quatro espetáculos de teatro.
  

10, 11, 17 e 18 Outubro

O Retrato | Boa Alma | Palácio de Cristal | Caos Danado
Realização de Eduardo Breda


O Retrato (2013/2014)
[a partir de 10 Outubro]

2013. Lisboa. Um grupo de actores interpreta as palavras do romance O Retrato de
Dorian Gray de Oscar Wilde. Na vertigem da adaptação para cena de uma obra
literária, os actores debatem-se com o movimento das palavras e sua adequação
ao drama. A rodagem deste filme, ao invés de retratar o processo de ensaios e
montagem do espectáculo, envolvendo-se narrativamente nas inquietações de uma
produção de teatro, procurou um olhar distanciado por forma a potenciar um ponto
de vista sobre as fronteiras entre arte e a vida.


Realização: Eduardo Breda
Música: João Paulo Esteves da Silva e Dennis Gonzalez
Apoio: Centro Nacional de Cultura e IPDJ - Instituto Português do Desporto e Juventude
Colaboração: Primeiros Sintomas
Produção: Eduardo Breda /Associação Primeiros Sintomas



Ficha Técnica do Espectáculo
Encenação e Adaptação: Bruno Bravo
Tradução: Margarida Vale de Gato
Com: António Mortágua, Carolina Salles, Paulo Pinto, Ricardo Neves-Neves, Sandra Faleiro Participação Especial: Eduardo Molina, Francisco Sousa, Ivone Fernandes, Joana Campelo, Lia Carvalho, Madalena Flores, Mário Mendes, Sandra Pereira, Thomas Mendonça, Victor M. Gonçalves
Música: Sérgio Delgado
Cenário e Figurinos: Stéphane Alberto
Desenho de Luz: Roger Madureira
Apoio Vocal: Joana Campelo
Fotografias e Vídeos Promocionais: Eduardo Breda
Execução de Figurinos: Sandra Ferreira
Direcção de Produção: Paula Fernandes



Boa Alma (2014)
[a partir de 11 Outubro]

Este filme documenta o percurso iniciado em 2014 por Mónica Calle, a partir dos espetáculos Os Sete Pecados Mortais, de Bertold Brecht, e A Boa Alma, de Luís Mário Lopes. Mais tarde, apesar de não fazer parte deste documento, este trajeto artístico aqui registado acabou por se transformar em Ensaio para uma cartografia, um espetáculo que procura uma religação, através do erro, da falha, da insegurança, da inevitabilidade da imperfeição, da fragilidade e da transformação do corpo, mas também da força, da exigência e do rigor.


Elenco (por ordem de aparição): Mónica Calle, Mónica Garnel, Luís Afonso, Sofia Vitória, Alexandra Gaspar, Sofia Dinger, Silvia Barbeiro, André Pires, Carla Bolito, Luís Mário Lopes, Joana de Verona, Marta Félix, Inês Vaz, Ana Água, Ana Ribeiro, Rute Cardoso, Ana Rocha, Maria Manuel, Patrícia Saramago, Bruno Candé Marques, JP Simões
Produção: Eduardo Breda | Casa Conveniente/ Zona Não Vigiada





Palácio de Cristal (2016)
[a partir de 17 Outubro]

Durante o séc. XIX, o Palácio do Bolhão foi invejado pelos seus bailes e festas,
acomodou a família real, foi pilhado, foi recuperado. Por entre os corredores e
escadas ecoam segredos, dúvidas, incertezas. Mas também entusiasmo, ímpeto e
euforia. Aqui, dentro deste Palácio, os alunos são transfigurados em pequenas
figuras de cristal puros, frágeis, valiosos.


Intérpretes: alunos e professores ACE, António Capelo, António Júlio, Glória Cheio, entre outros
Produção: Eduardo Breda | Teatro do Bolhão | ACE - Academia Contemporânea do Espetáculo (VAGA)





Caos Danado (2018)
[a partir de 18 Outubro]

Traçando um percurso paralelo à criação do espectáculo Teoria das 3 Idades, de Sara Barros Leitão, Caos Danado tem como ponto de partida o acompanhamento deste processo de criação e que irá, a partir do arquivo do Teatro Experimental do Porto, desafiar a nossa capacidade de evocar e preservar memórias através dos vários tipos de percepção que dispomos. 
Caos Danado traça uma narrativa que se desconstrói entre a ficção e o documentário (mentira vs. verdade), a importância da memória e o poder do esquecimento.


Intérpretes: Sara Barros Leitão, Eduardo Breda, Patrícia Gonçalves (entre outros)
Produção: Teatro Experimental do Porto





Eduardo Breda | Nasceu no Porto, em 1990. Em 2012 terminou a Licenciatura de Teatro, ramo Atores, da Escola Superior de Teatro e Cinema.
Estreou-se profissionalmente com Gonçalo Amorim no espetáculo A Morte de Um Caixeiro Viajante de Arthur Miller (Teatro Experimental do Porto, 2010). Nesse mesmo ano, também no TEP, trabalhou com Nuno Cardoso em Longa Jornada para a Noite, de Eugene O’Neill. Em 2011, integrou o elenco dos espetáculos Felizmente Há Luar!, encenado por Cláudio Silva (TEP), Santa Joana dos Matadouros de Bertolt Brecht, encenado por Bernard Sobel (TMA) e participou na performance Pleasure Gardens de André Guedes. 
Já em 2012, participou na criação de Lugar Comum, espetáculo integrado no ciclo Sala Experimental, promovido pelo TMA e organizado por Jean Paul Bucchieri e integrou o elenco do espetáculo Mercador de Veneza encenado por Ricardo Pais. Em 2013 integrou o elenco dos espetáculos À Vossa Vontade no Teatro Nacional D. Maria II e Um Inimigo do Povo na Comuna Teatro de Pesquisa, ambos encenados por Álvaro Correia. 
Como Realizador em 2014 recebe uma bolsa do Centro Nacional de Cultura para realizar e produzir o seu primeiro documentário, intitulado O Retrato. Seguiu-se depois, Boa Alma (2015), Palácio de Cristal (2016) e Caos Danado (2018). Realizou também a web-série Os Muralistas (produzido pela After Wall & Dyrup). Foi responsável pela criação de vídeo para os seguintes espectáculos: A Modéstia (2015 Artistas Unidos/Colectivo Causa); A Batalha de Não Sei o Quê (2015 - Teatro do Elétrico); Tentativas para Matar o Amor (2017- Mascarenhas Martins /Teatro Aberto); Um dia Uma vida (2018 Teatro Aberto); Doença da Juventude (2019 Teatro Aberto).