Ouvir
Café Plaza
Em Direto
Café Plaza Germano Campos

Cultura

No 80º aniversário de Yvette Centeno | 7 Fevereiro

Poesia e escrita

|

No 80º aniversário de Yvette Centeno | 7 Fevereiro No 80º aniversário de Yvette Centeno | 7 Fevereiro

© Jorge Carmona / Antena 2


A Antena 2 assinala com a leitura de seis  textos, ao longo do dia 7 de Fevereiro, o 80º aniversário da escritora, professora e tradutora Yvette Kace Centeno.


Especial | No 80º aniversário de Yvette Centeno

7 Fevereiro 


Entre as 11h00 e as 21h00 | Leituras de textos de Yvette Centeno, por Fernando Jorge Oliveira:

11h00 – A Oriente [excertos]
Para ouvir, clicar aqui.

13h00 – Perto da Terra [excertos]
Para ouvir, clicar aqui.

15h00 – Canções do Rio Profundo (As Mães) [excertos]
Para ouvir, clicar aqui.

17h00 - Irreflexões [excertos]
Para ouvir, clicar aqui.

19h00 - Amores Secretos [excertos]
Para ouvir, clicar aqui.

21h00 - Do Longe e do Perto [excertos]
Para ouvir, clicar aqui.




Na manhã de dia 7, por volta das 8h00, o programa Império dos Sentidos, transmite a entrevista realizada por Paulo Alves Guerra a Yvette Centeno.
Para ouvir, clicar aqui.



Acompanhando e complementando a leitura dos seis excertos, Fernando Ribeiro, professor na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, propõe um olhar em três momentos, pela vida e obra de

Yvette Kace Centeno
mulher
escritora
mãe de artistas

Mulher-académica

Foi cofundadora do CITAC da Universidade de Coimbra onde começou por levar à cena O Dia Seguinte de Luís Francisco Rebelo e O Mar de Miguel Torga e que começou por ter António Pedro como encenador.
Agraciada em julho de 1987 com grau Chevalier dans L’Ordre des Palmes Académiques pelo então primeiro ministro francês (e futuro presidente da república) Jacques Chirac, num ato de reconhecimento do seu magistério universitário. Doutorou-se em Letras (Literatura Alemã) pela Universidade Nova de Lisboa, onde se jubilou, tendo fundado o Departamento de Estudos Alemães e o Gabinete de Estudos de Simbologia e desbravado caminhos, singrados por vários discípulos, da Literatura Alemã à Literatura Comparada, às Histórias da Ideias, aos Estudos de Tradução, tendo sido cofundadora da Associação Portuguesa de Tradutores.
O Presidente da República Federal da Alemanha Richard von Weizsäcker agraciou-a com a Verdienstkreuz 1. Klasse em 1994, reconhecendo também o seu mérito nas artes e nas letras. Entre 1995 e 2004 foi diretora do ACARTE da Fundação Gulbenkian onde colaborou também como consultora para a Educação e Cultura.

Mulher-escritora

De ascendência materna polaca, Kace, com raízes na França da Liberdade, Igualdade e Fraternidade, viveu temporadas em Paris enquanto jovem, havendo aprendido com a arte literária de Jacques Prévert e outros, a forma pela palavra certa, pelo ritmo depurado e subtil, em demanda da criação literária.
Traduziu e cultivou formas literárias na poesia, na narrativa, no teatro, ao abrigo de um português maior cuja obra, de feição especialmente hermética, investigou e publicou: Fernando Pessoa.

Mãe de artistas

O jazz desde sempre interpretado pelo Moreiras Jazztet, cuja formação inicial apresentava João Moreira (trompete), Pedro Moreira (saxofone), Miguel Moreira (piano) e Bernardo Moreira, este último herdeiro da arte do contrabaixo legada por seu pai, Bernardo Moreira, também exímio no trombone de varas e marido de Yvette Centeno Moreira, sempre colheu da poesia de Yvette os melhores frutos, também por si acarinhados na arte da narrativa.

Os escritos escolhidos

Poder-se-ia ter começado por oferecer o haiku nº 6 publicado em A Oriente (1998):

Vozes ao longe
Risos de Criança
Cai a noite

No poema cuja declamação oferecemos aos ouvintes, a palavra grácil não perde em enigma.
Sempre o diálogo entre o tomado-como-certo e o tomado-como-incerto que nos coloca desconcertados perante a perplexidade com que Yvette Centeno nos desvenda a poesia em Perto da Terra (1989).
E sempre o humor vertido na escrita das Irreflexões (1974) por «linhas que nos cosem e descosem» (p.27) e nos levam a repor a verdade ao revés de todas as verdades pré-formadas: a feminilidade da divindade.
A poesia de Yvette Centeno é escrita natural no feminino: de mãe, de guarda, de garra, da-chegada e da-partida, por isso destacamos as palavras de As Mães em Canções do Rio Profundo (2002) .
Deixamo-nos levar pela prosa dita, respigada de Do Longe e do Perto Quase-diário (2011) e Amores Secretos (2006) para nos aproximarmos da fonte da escrita, jorrando sem que fiquemos a saber de onde brota, mas entendermos como, em ondas dúcteis, se manifesta.
[estas algumas obras, de entre a vasta criação de Yvette Centeno, que percorrem chancelas várias: Guimarães, Portugália, Asa, Salamandra, Presença, Estampa, Plátano, Glaciar, Sextante e Bertrand.]

Lisboa, Stª Cruz de Benfica, 4 Fev. 2020

Fernando Ribeiro




Fotos Jorge Carmona / Antena 2