Ouvir
Notícias
Em Direto
Notícias

Destaques

Concerto de aniversário Orquestra de Câmara Portuguesa | 13 Setembro

10º aniversário da OCO (2007-2017)

|

Concerto de aniversário Orquestra de Câmara Portuguesa | 13 Setembro Concerto de aniversário Orquestra de Câmara Portuguesa | 13 Setembro

© Jorge Carmona / Antena 2 RTP


A Antena 2 associa-se à celebração do 10º aniversário da Orquestra de Câmara Portuguesa. Esta efeméride é comemorada com um concerto pela OCP no CCB, em Lisboa, e assinalada em antena, na manhã e na noite do dia 13 de Setembro.


No Império dos Sentidos, de Paulo Alves Guerra, entre as 7h00 e as 10h00, além de peças musicais interpretadas pela orquestra, é transmitida uma reportagem sobre os 10 anos da OCP, por Isabel Meira. Para ouvir, clicar aqui.  


À noite, às 21h00. em Grande Auditório, de Reinaldo Francisco, pode escutar o concerto que a Orquestra de Câmara Portuguesa realizou no dia de abertura do 1º Festival Antena 2, a 24 de Janeiro passado, no Teatro da Trindade.
Tendo como solista, Pedro Lopes no violino, e direção musical de Pedro Carneiro, a OCP interpretou as obras de:

Miguel Azguime  - Iluminations
Wolfgang Amadeus Mozart - Concerto p/ violino e orquestra Nº5 em lá maior, K.219 
Ludwig van Beethoven - Sinfonia Nº 5 em dó menor, Op.67

Este concerto está disponível online; para o ver e ouvir, clicar aqui.




13 Setembro | 21h00
Centro Cultural de Belém

Concerto do 10º Aniversário 
da Orquestra de Câmara Portuguesa (2007-2017)



Pedro Carneiro, direcção e apresentação



Programa

Ludwig van Beethoven - Sinfonia nº 3 em Mi Bemol maior, Heroica, op. 55

Igor Stravinski - A Sagração da Primavera




Neste concerto de Aniversário da Orquestra de Câmara Portuguesa, a que se junta a Jovem Orquestra Portuguesa, são apresentadas duas obras com um impacto estrondoso na história da música e cujas estreias ficaram para sempre como momentos de espanto, admiração, rutura e até tumulto.
Composta entre a Primavera de 1803 e Maio de 1804, a Sinfonia nº 3 foi originalmente dedicada a Napoleão Bonaparte, que Beethoven considerava um símbolo da luta pela libertação da Europa. Quando Napoleão se fez coroar imperador, o compositor sentiu-se traído pelo seu “herói” e rasgou a página da dedicatória, substituindo-a por outra que dizia: “Sinfonia Heroica, composta para celebrar a memória de um grande homem”. Talvez por isto, mas sobretudo pelo génio de Beethoven, esta sinfonia rompe claramente com o passado, quer pela dimensão, pela grandiosidade mas, sobretudo, pela forma como o compositor se expõe a ele próprio através da música, a ponto de Joseph Haydn, presente na estreia da Sinfonia, ter proclamado: “tudo será diferente a partir daqui”.
Igualmente marcante, A Sagração da Primavera protagonizou aquela que é, talvez, a estreia mais famosa de sempre de um espetáculo, com a polícia a ter que intervir para acalmar os ânimos do público presente no teatro. Mais de cem anos depois, não restam dúvidas de que A Sagração da Primavera de Stravinski representou de facto uma rutura com os cânones estabelecidos, deixando em aberto todo um mundo de novas possibilidades.











Fotos de Jorge Carmona / Antena 2 RTP
no ensaio da orquestra para o concerto no CCB