Ouvir
Ecos da Ribalta
Em Direto
Ecos da Ribalta João Pereira Bastos

Ópera

Carl Maria Von Weber | Oberon | 26 Novembro 18h00

Mezza-Voce

|

Carl Maria Von Weber | Oberon | 26 Novembro 18h00 Carl Maria Von Weber | Oberon | 26 Novembro 18h00

© Wilfried Hösl


26 Novembro 18h00

Programa Mezza-Voce    

Apresentação e Realização: André Cunha Leal 
Produção: Susana Valente     


Gravação da Radiodifusão da Baviera
no Festival de Ópera de Munique,
a 21 de Julho de 2017





Oberon: Julian Prégardien (T)
Titania/Puck: Alyona Abramowa (MS)
Sereia: Anna el-Khashem (MS)
Rezia: Annette Dasch (S)
Fatime: Rachael Wilson (MS)
Hüon de Bordéus: Brenden Gunnell (T)
Sherasmin: Johannes Kammler (BT)

Direção de Ivor Bolton




Para saber mais sobre esta récita, clicar aqui.





Ópera em 3 atos

Música de Carl Maria Friedrich Ernst von Weber (1786-1826)
Libreto de James Robinson Planche (1796-1880), inspirado no poema de Christoph Martin Wieland, por seuturno baseado no romance épico "Huon de Bordeaux", uma narrativa medieval francesa.

Oberon é a última ópera romântica de Weber. O compositor já se encontrava doente, com tuberculose. quando aceitou a encomenda do ator e empresário inglês Charles Kemble para fazer uma ópera. Contra o conselho médico viaja para Londres, e decide-se pelo libreto de Planche, proposto a par do de Fausto. Na capital britânica, ao mesmo tempo que compunha a partitura,  aprende inglês para melhor tentar perceber o libreto, escrito nesta língua.
A pressão da finalização e dos ensaios fragilizam ainda mais a saúde de Weber. No entanto, é o próprio músico que vai reger a récita de estreia, em Convent Garden, em Londres, a 12 de Abril de 1826, tendo a ópera sido um verdadeiro sucesso, embora posteriormente o libreto tenha sido alvo de críticas.
Weber morre após semanas da estreia, a 5 de Junho de 1826.


Conjugando elementos do Sonho de uma noite de verão, de Shakespeare, e de lendas medievais, esta ópera centra a sua ação entre França, a corte árabe e um mundo das fadas. 
A sua abertura conquistou desde logo o público, tornando-se uma das partes mais interpretadas em repertório de concerto.