Ouvir
Caleidoscópio
Em Direto
Caleidoscópio LUSITANA MÚSICA - Clássicos da Discografia Portuguesa

Ópera

Maurice Ravel | L’enfant et les sortilèges | 28 Dezembro a 6 Janeiro

Teatro Nacional de São Carlos

|

Maurice Ravel | L’enfant et les sortilèges | 28 Dezembro a 6 Janeiro Maurice Ravel | L’enfant et les sortilèges | 28 Dezembro a 6 Janeiro

© Jorge Carmona / Antena 2 RTP


A Antena 2 acompanhou o ensaio geral da ópera de Maurice Ravel, L’enfant et les sortilèges, que preenche a época natalícia da temporada do São Carlos.
do Teatro Nacional de São Carlos
Sala Principal

28 Dezembro a 6 Janeiro



Ópera em um ato

Música de Maurice Ravel (1875-1937)
Libreto de Sidoine Gabrielle Colette (1873-1954)


A Criança - Raquel Luís
O fogo, o rouxinol - Bárbara Barradas
A mamã, a chávena chinesa, a libélula - Carolina Figueiredo
A cadeira Luís XV, a coruja e a pastora - Sónia Alcobaça
A princesa, o morcego - Carla Caramujo
Um pastor, a gata, o esquilo - Ana Franco
O bule, o velhinho, a rã - João Pedro Cabral
O relógio de pé alto, o gato - Tiago Matos
O cadeirão, um carvalho - Ricardo Panela



Direção Musical - Joana Carneiro
Encenação - James Bonas
Desenho de luz - Rui Monteiro

Coro do Teatro Nacional de São Carlos
Maestro Titular Giovanni Andreoli

Coro Juvenil de Lisboa
Maestro Titular Nuno Margarido Lopes

Orquestra Sinfónica Portuguesa
Maestrina Titular Joana Carneiro



Uma criança desobediente destrói e maltrata os objetos que a rodeiam. Mas estes ganham subitamente vida e enfrentam o pequeno rebelde, repreendendo-o pelo seu comportamento que há muito os magoa e atormenta. Ao dar-se conta das consequências das suas ações, a criança, através de uma viagem espiritual, conhece o amor, a amizade e o perdão.



Depois de L’heure espagnole (1907), L’enfant et les sortilèges é a segunda e derradeira incursão de Ravel no domínio da ópera.

Em 1914, Colette – que sempre recusara escrever para o teatro lírico – aceita o convite de Jacques Rouche, diretor da Ópera de Paris, para escrever o enredo para um bailado cuja música seria escrita por Ravel, compositor que a escritora muito admirava. Em menos de oito dias, Colette escreve um poema em prosa que viria a transformar-se num libreto para uma fantasia lírica em duas partes. Porém, só em 1925 é que a ópera se estrearia em Monte Carlo dirigida por Victor de Sabata e com sequências coreografadas por Balanchine. 

Celebrando os mistérios da infância contados pela maravilhosa música de Ravel, L’enfant et les sortilèges divertirá seguramente crianças e adultos.

























Fotos Jorge Carmona / Antena 2