Burocracia e impostos são principais constrangimentos de empresas francesas em Portugal

| Economia

A burocracia e os impostos são os principais constrangimentos identificados pelas empresas francesas em Portugal, com 78% a apontar a burocracia como maior dificuldade, segundo um estudo hoje divulgado sobre o impacto do investimento francês em Portugal.

De acordo com o estudo "Contributo do Investimento Francês para Portugal", realizado pela Universidade Nova de Lisboa, 78% das empresas inquiridas apontaram em 2015 a burocracia como o principal constrangimento, seguindo-se os impostos (68%), as regulações fiscais (66%) e as leis laborais restritivas (61%).

Por outro lado, os aspetos apontados em último lugar como constrangimentos sentidos à realização de investimento em Portugal em 2015 foram a formação inadequada da força de trabalho (17%), o acesso a financiamento (20%) e uma insuficiente capacidade inovadora (22%).

Outra conclusão é que as empresas francesas são as que geram mais valor acrescentado bruto: em 2014, ocupavam o primeiro lugar, à frente de Espanha e da Alemanha, ao passo que, em 2010, as empresas francesas estavam apenas em terceiro lugar neste indicador.

As empresas inquiridas reportaram elevados níveis de investimento, destacando-se a Altice (com um investimento de 7.400 milhões de euros). Já com investimentos entre os 100 e os 400 milhões de euros, o estudo dá o exemplo da Cofidis, da Ardian e da Rubis Energia, e, com investimentos entre os 50 e os 100 milhões, estão empresas como a Castel, a Oneo e a PSA.

Para a realização deste levantamento, os professores que conduziram o estudo recorreram a notícias da imprensa de Portugal e de França, a dados da Informa D&B sobre empresas com último proprietário francês e aos inquéritos a empresas com participação francesa.

Além disso, entrevistaram gestores de empresas francesas e de empresas do setor imobiliário, tendo abrangido 41 empresas, as quais empregam, em média, 553 trabalhadores.

Tópicos:

Castel, Cofidis, Rubis,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.