Relvas convida Oposição para "apagão" analógico

| Média

Miguel Relvas lembrou que o Governo se limita neste momento a cumprir contratos que encontrou assinados
|

“Convido os deputados a assistir [ao apagão]”, foi a fórmula encontrada pelo ministro Miguel Relvas para dar como encerrada a polémica à volta do fim do sinal analógico - a partir do próximo dia 12 - e arranque da TDT (Televisão Digital Terrestre). O PCP agendou para hoje um debate potestativo, durante o qual foram apresentados os argumentos contra a alteração do sinal analógico para digital, mas o governante apresentou-se inflexível no Parlamento, respondendo que a Portugal Telecom, que ganhou a licença, cumpriu as suas obrigações no processo.

Uma larga franja da população portuguesa – 1,3 milhões, segundo a Oposição - a quem não chega o sinal digital da TDT a não ser que essas pessoas façam um investimento (desigual em relação aos restantes telespetadores nacionais) adicional na compra de aparelhos satélite; a fuga da PT às suas obrigações de subsidiar estes casos, perante a inação da Anacom; o número limitado de canais de sinal aberto disponibilizados pela TDT, face a uma muito maior capacidade de albergar sinais – estas foram algumas questões preparadas pela Oposição de esquerda para o ministro-adjunto e dos Assuntos Parlamentares. Apagão entre dia 12 e 26 de abril

Miguel Relvas explicou que em setembro a PT condicionou a proposta de adiar o apagão até 31 de dezembro ao pagamento dos serviços desde as datas acordadas na licença que lhe foi atribuída: "Ponderou-se o adiamento e fomos confrontados com os contratos assinados pelos operadores e assumidos com a PT", disse Relvas


Perante o que considerava ser um tão substancial número de problemas, e apontando para a consequente falta de condições para manter as datas do arranque da TDT, a Oposição pedia ao ministro para que adiasse o desligamento do sinal analógico. Miguel Relvas não foi sensível ao apelo e disse que se mantém a data do apagão, já que "temos condições para que este processo se faça com tranquilidade e cumpra com o que estava definido. A PT está hoje em condições de cumprir com a sua parte".

"Convido os deputados a assistir", acrescentou Relvas.

Comunistas preocupados com “zonas-sombra”
O deputado comunista Bruno Dias chamou a atenção do ministro da Presidência para o elevado número de localidades que apenas têm acesso ao sinal analógico por via de retransmissores e que ficam sem televisão assim que o sinal analógico for desligado. Uma situação intolerável, considerou.

Miguel Relvas explicou que a ANACOM "contactou cada um dos 308 municípios, que durante meses não se preocuparam com o processo", e propôs que os "obstáculos" sejam agora ultrapassados "com espírito construtivo"

"A PT confirma que irá aumentar significativamente a comparticipação para a aquisição de descodificadores de TDT complementar, tendo presente a evolução dos preços de mercado dos descodificadores e acatando as indicações do ICP - Anacom", indicou a PT.
Lembrando que "70 por cento das famílias tem televisão paga", Miguel Relvas falou em “espírito construtivo” na resolução dos problemas dessas ditas “zonas-sombra” e apontou um passo nesse sentido, dado precisamente pela PT: o custo dos descodificadores de sinal digital por satélite passou para 40 euros, face aos 55 que custavam até 7 de outubro: "A PT reduziu hoje em 15 euros o custo dos descodificadores", assinalou o governante.

PT limita cidadania ao oferecer apenas quatro canais
A limitação da oferta de canais através da TDT (quatro) foi outra das questões colocadas por Bruno Dias, Inês de Medeiros (PS) e Catarina Martins (BE) ao ministro da Presidência.

Levando ao hemiciclo o exemplo de países que mudaram de sistema, aumentando todos eles a oferta de sinal aberto, Bruno Dias deixou um lamento: "Somos o único país da Europa que não aumentou a oferta de canais em sinal aberto com a migração para a TDT".

"Do ponto de vista de cidadania, isto é inaceitável", declarou o deputado comunista. Bruno Dias acrescentou o caso da zona raiana do Alto Minho, onde "as pessoas emigram sem sequer sair de casa, uma vez que têm dezenas de canais abertos da TDT da Galiza".

"Estão a condenar ao passado milhares e milhares de pessoas", acusou.

Ao coro de protestos juntou-se a deputada da bancada socialista Inês Medeiros: "A passagem para a TDT levou ao aumento de oferta de serviços públicos em toda a Europa e com este projeto vamos ficar comparados apenas com dois países na Europa, a Albânia e a Bulgária. São estas as realidades com que nos queremos comparar?".

O ministro Miguel Relvas ensaiaria uma defesa, lembrando que o Governo se limita neste momento a cumprir contratos que encontrou assinados contemplando a disponibilização de apenas quatro canais.

A informação mais vista

+ Em Foco

Uma semana após a extinção do incêndio de Monchique, a televisão pública esteve no barlavento algarvio com uma emissão especial sobre o cíclico flagelo dos incêndios e as alterações climáticas.

    Fãs de Aretha Franklin homenagearam a icónica cantora norte-americana em várias cidades dos Estados Unidos. A rainha da Soul morreu na manhã de quinta-feira na sua casa em Detroit.

      Uma parte central da Ponte Morandi, em Génova, Itália, desabou na manhã de terça-feira durante uma tempestade. Morreram dezenas de pessoas.

        Há uma nova rota turística pela cidade de Lisboa, baseada em memórias de lisboetas mais antigos. São beneficiários da Associação Mais Proximidade Melhor Vida.