População em Portugal voltou a cair em 2014 mas de "forma menos acentuada"

| País

A população residente voltou a diminuir no ano passado, mas de "forma menos acentuada" em relação aos últimos anos, fixando-se em 10.374.822 pessoas, menos 52.479 face a 2013, segundo as "Estatísticas Demográficas 2014" divulgadas hoje pelo INE.

"Apesar de ter-se atenuado, manteve-se a tendência de decréscimo populacional que se vem verificando desde 2010", refere o Instituto Nacional de Estatística, acrescentando que a redução de 52.479 pessoas representa uma taxa de crescimento efetivo de menos 0,5%.

O INE explica que "o abrandamento do decréscimo populacional em 2014 resultou da diminuição dos valores negativos quer do saldo natural, que se situou em -22.423 (-23.756 em 2013), quer do saldo migratório, que se situou em -30.056 (-36.232 em 2013)".

Estes saldos correspondem a taxas de crescimento natural de -0,22% (-0,23% em 2013) e migratório de -0,29% (-0,35% em 2013).

Embora o número de óbitos tenha caído para 104.790 em 2014 (menos 1,6% face a 2013) e de a queda no número de nados vivos ter sido menos acentuada (82.367 face a 82.787 de 2013, ou seja, menos 0,5%), o saldo natural manteve-se negativo, ainda que ligeiramente menos, em 2014, situação que ocorre continuadamente desde 2009.

Pelo quarto ano consecutivo, o saldo migratório apresentou um valor negativo, "ainda que mais atenuado face aos dois últimos anos", refere a publicação do INE que analisa as várias temáticas do comportamento demográfico da população em Portugal, como crescimento natural e migratório, natalidade, mortalidade e movimentos migratórios internacionais.

A evolução face ao ano anterior resultou do efeito conjugado da diminuição do número de emigrantes permanentes (49.572 em 2014 e 53.786 em 2013) e do aumento do número de imigrantes permanentes (19.516 em 2014 e 17.554 em 2013).

 

 

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam em Portugal continental cerca de 200 mil hectares.

    Acionar o artigo 155 da Constituição espanhola representa um momento único na História de Espanha. O Governo de Madrid já definiu os setores que quer controlar de imediato.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Mário Centeno também deixou no ar a ideia de que, na discussão da especialidade do OE2018, seja posto um ponto final nos cortes do subsídio de desemprego.