História do Palácio de Palhavã em álbum editado pela embaixada de Espanha

| Cultura

Um álbum com texto de José Moterroso Teixeira e fotografia de Laura Castro Caldas e Paulo Cintra traça o percurso arquitectónico e artístico do Palácio de Palhavã, em Lisboa, que acolhe actualmente a Embaixada de Espanha.

Edificado no século XVII, numa zona à época considerada "fora de portas", na freguesia rural de S. Sebastião da Pedreira, o Palácio, escreve o historiador de arte Monterroso Teixeira, tem uma matriz "regida pelo aparato senhorial, cenário de poder e representação".

Adquirido em 1918 para residência do embaixador espanhol, o Palácio foi "permeável a várias influências" devido até às "sucessivas ocupações" que lhe deram "diversos investimentos simbólicos de prestígio e grandeza", considera o autor.

O historiador aponta como autor do projecto o arquitecto João Nunes Tinoco, da Casa da Rainhas, falecido em 1668.

O Palácio foi propriedade do 2.º Conde de Sarzedas, dos "meninos da Palhavã" - D. António, D. Gaspar e D. José, filhos ilegítimos de D. João V - que ali viveram até 1760 e a ele regressaram 18 anos passados, depois do desterro no Buçaco ordenado pelo marquês de Pombal, a partir de 1860 dos condes da Azambuja, e, posteriormente, do Estado espanhol.

O álbum, editado pela própria embaixada, divide-se em duas partes, sendo redigido em espanhol, mas com uma sinopse final em português.

Na primeira parte, "usos e evolução", em cinco capítulos, estão em foco os diferentes usos do edifício, desde "villa suburbana" até à actual ocupação diplomática.

Monterroso Teixeira refere o "plano geométrico dos jardins", a escultura barroca, os pomares e o projecto de remodelação em 1936 por Pedro Muguruza Otaño, e enumera as diferentes famílias nobres que o ocuparam até à compra pelo Estado espanhol, que o dotou de "um registo sumptuoso".

Na segunda parte, "espaços de representação", em doze capítulos, apresenta-se pormenorizadamente o palácio: vestíbulo, salão amarelo, salão de música, salão verde, sala, ante-sala dos mármores, salão vermelho, sala vermelha pequena, sala nobre dos banquetes, sala de jantar pequena, sala amarela pequena e capela.

O autor contextualiza o Palácio de Palhavã nas diferentes épocas, designadamente nas correntes estéticas vigentes. Há ainda a preocupação de, sinteticamente, explicar as origens de cada uma das famílias ocupantes do edifício.

Entre os objectos de adorno do Palácio, destacam-se no livro as tapeçarias flamengas, as telas de Fernando Brambilla e Luca Giordano e um retrato de Afonso XIII assinado por J.J. Gárate, entre outros, além do mobiliário.

NL.

Lusa/Fim


A informação mais vista

+ Em Foco

A ONU alerta para um ano de grande instabilidade e de necessidades maiores por parte da população civil.

Os dias estão mais quentes e não é por causa do advento da primavera. A razão está identificada - as alterações climáticas fazem-se sentir em todo o planeta e as consequências espelham-se em fenómenos extremos.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.