José Gardeazabal vence primeira edição do Prémio Vasco Graça Moura

| Cultura

A obra "História do século vinte", de José Gardeazabal, é a vencedora da primeira edição do Prémio Imprensa Nacional Casa da Moeda/Vasco Graça Moura, que distingue trabalhos inéditos no âmbito da poesia, anunciou hoje a organização, em Lisboa.

O galardão, no valor de 5.000 euros, foi anunciado durante uma cerimónia realizada na sede da Imprensa Nacional Casa da Moeda (INCM), patrocinadora da iniciativa que nesta edição atribuiu igualmente uma menção honrosa à obra "Fade out" (Dissolve), de Alexandre Sarrazola.

José Gardeazabal, autor da obra vencedora, é natural de Lisboa, estudou e viveu em Luanda, Aveiro, Boston e Los Angeles, e tem vindo a escrever ficção, teatro e poesia, entre outros textos.

O seu conto "Várias Versões de uma Catástrofe" foi publicado na versão portuguesa da revista Granta.

De acordo com o presidente do júri, José Tolentino de Mendonça, em "História do século vinte" existe "uma poética que arrisca alimentar e transcender o esquema das oposições, num exercício invulgar, notável e vertiginoso, que conduz a literatura para um lugar novo".

O júri assinalou ainda o trabalho de Alexandre Sarrazola na criação de uma obra "que valoriza, de forma segura, mas também inquietante, a dimensão narrativa do poema, misturando alusões culturais e um jogo dramático que surpreende".

Alexandre Sarrazola, natural de Coimbra, tem publicado regularmente ficção e poesia em antologias coletivas desde 2006.

Arqueólogo, escritor, poeta e dramaturgo, criou a obra "Fade out" como um livro de fecho de uma trilogia escrita a mote de imagens cujos dois primeiros volumes correspondem a, respetivamente, "Thaumatrope" e "View-Master".

Na sua primeira edição, o Prémio INCM/Vasco Graça Moura reuniu mais de duas centenas de candidaturas.

Rui Carp, presidente do conselho de administração da Imprensa Nacional-Casa da Moeda, disse que era "bastante positivo" o balanço desta primeira edição, tanto pelo número de candidaturas recebidas, como pela qualidade das obras a concurso.

"O facto de encararmos este galardão como um estímulo para o aparecimento da poesia nacional correspondeu totalmente às nossas expectativas", comentou.

A obra vencedora será editada pela INCM, na Plural, uma coleção emblemática criada por Vasco Graça Moura quando integrou a administração da INCM, na década de 1980.

Em 2016, o Prémio INCM/Vasco Graça Moura irá distinguir obras inéditas na categoria ensaio (área das Humanidades), outra das áreas de atuação onde Vasco Graça Moura se distinguiu.

A tradução (obras clássicas no domínio público, área das Humanidades) será outra das categorias a concurso na terceira edição do prémio, em 2017.

Tópicos:

Alexandre Sarrazola, Graça Moura, INCM, Moeda, Tolentino Mendonça,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.