José Gardeazabal vence primeira edição do Prémio Vasco Graça Moura

| Cultura

A obra "História do século vinte", de José Gardeazabal, é a vencedora da primeira edição do Prémio Imprensa Nacional Casa da Moeda/Vasco Graça Moura, que distingue trabalhos inéditos no âmbito da poesia, anunciou hoje a organização, em Lisboa.

O galardão, no valor de 5.000 euros, foi anunciado durante uma cerimónia realizada na sede da Imprensa Nacional Casa da Moeda (INCM), patrocinadora da iniciativa que nesta edição atribuiu igualmente uma menção honrosa à obra "Fade out" (Dissolve), de Alexandre Sarrazola.

José Gardeazabal, autor da obra vencedora, é natural de Lisboa, estudou e viveu em Luanda, Aveiro, Boston e Los Angeles, e tem vindo a escrever ficção, teatro e poesia, entre outros textos.

O seu conto "Várias Versões de uma Catástrofe" foi publicado na versão portuguesa da revista Granta.

De acordo com o presidente do júri, José Tolentino de Mendonça, em "História do século vinte" existe "uma poética que arrisca alimentar e transcender o esquema das oposições, num exercício invulgar, notável e vertiginoso, que conduz a literatura para um lugar novo".

O júri assinalou ainda o trabalho de Alexandre Sarrazola na criação de uma obra "que valoriza, de forma segura, mas também inquietante, a dimensão narrativa do poema, misturando alusões culturais e um jogo dramático que surpreende".

Alexandre Sarrazola, natural de Coimbra, tem publicado regularmente ficção e poesia em antologias coletivas desde 2006.

Arqueólogo, escritor, poeta e dramaturgo, criou a obra "Fade out" como um livro de fecho de uma trilogia escrita a mote de imagens cujos dois primeiros volumes correspondem a, respetivamente, "Thaumatrope" e "View-Master".

Na sua primeira edição, o Prémio INCM/Vasco Graça Moura reuniu mais de duas centenas de candidaturas.

Rui Carp, presidente do conselho de administração da Imprensa Nacional-Casa da Moeda, disse que era "bastante positivo" o balanço desta primeira edição, tanto pelo número de candidaturas recebidas, como pela qualidade das obras a concurso.

"O facto de encararmos este galardão como um estímulo para o aparecimento da poesia nacional correspondeu totalmente às nossas expectativas", comentou.

A obra vencedora será editada pela INCM, na Plural, uma coleção emblemática criada por Vasco Graça Moura quando integrou a administração da INCM, na década de 1980.

Em 2016, o Prémio INCM/Vasco Graça Moura irá distinguir obras inéditas na categoria ensaio (área das Humanidades), outra das áreas de atuação onde Vasco Graça Moura se distinguiu.

A tradução (obras clássicas no domínio público, área das Humanidades) será outra das categorias a concurso na terceira edição do prémio, em 2017.

Tópicos:

Alexandre Sarrazola, Graça Moura, INCM, Moeda, Tolentino Mendonça,

A informação mais vista

+ Em Foco

O antigo procurador-geral da República do Brasil revelou à RTP que já recebeu várias ameaças de morte e defendeu uma reforma profunda do sistema político brasileiro.

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

    O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.