Ministro da Cultura lamenta morte de Guida Maria, figura "incontrolável do teatro"

| Cultura

O ministro da Cultura, Luís Filipe de Castro Mendes, lamenta profundamente a morte da atriz Guida Maria, ocorrida hoje, em Lisboa, que recorda no desempenho de "O milagre de Ann Sullivan", como Helen Keller, no início da década de 1960.

Numa nota de pesar sobre a morte da atriz, o ministro da Cultura recorda que a primeira vez que foi ao teatro, na sua vida, foi para ver esta peça de William Gibson, no Teatro Garcia de Resende, em Évora, após a estreia em Lisboa, em fevereiro de 1963.

Para o ministro, Guida Maria "afirmou-se como uma personalidade incontrolável do teatro português", e este fica "muito mais pobre com a sua partida".

Além de enviar condolências à família, Luís Filipe de Castro Mendes, sublinha a determinação e a versatilidade com que Guida Maria interpretou diversas personagens "que continuarão a inspirar-nos" tanto no teatro, como no cinema ou em televisão.

Guida Maria morreu hoje, aos 67 anos, vítima de cancro, revelou à Lusa o encenador António Pires.

"A atriz faleceu hoje de manhã, tranquilamente durante o sono", referiu o encenador.

O velório realiza-se hoje a partir das 19:00, na Basílica da Estrela, em Lisboa, e o funeral tem lugar na quarta-feira, às 15:00, da basílica para o Cemitério dos Prazeres, também na capital.

Nascida em Lisboa em 1950, Guida Maria fez cinema, ficção em televisão, mas sobretudo teatro, tendo participado em cerca de 40 peças, entre as quais "A mãe", "Auto da geração humana", "A casa de Bernarda Alba" e "Os monólogos da vagina", possivelmente uma das mais conhecidas da carreira.

CP (SS) // MAG

 

Tópicos:

Ann Sullivan, Basílica, Bernarda Alba, Cemitério, Garcia Resende, Guida,

A informação mais vista

+ Em Foco

O economista guineense Carlos Lopes considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

    Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.