PR lamenta morte de Raúl Hestnes Ferreira e destaca dualidade da sua obra

| Cultura

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, lamentou hoje a morte do arquiteto Raúl Hestnes Ferreira, lembrando a sua obra, na qual "convivem a monumentalidade e a intimidade, o classicismo e a modernidade".

"Conhecendo bem o Norte da Europa e os Estados Unidos, a sensibilidade nórdica e a americana deixaram marcas na sua arquitetura (nomeadamente a lição de Alvar Aalto e a de Louis Kanh). No entanto, nunca menorizou uma profunda sensibilidade meridional, atenta à cultura popular portuguesa e ao Sul. Na sua obra convivem a monumentalidade e a intimidade, o classicismo e a modernidade, visíveis em universidades, edifícios de habitação social, residências privadas", lê-se na nota publicada na página da Presidência da República.

Marcelo Rebelo de Sousa lamentou a morte do arquiteto e manifestou o seu pesar à família de Hestnes Ferreira, lembrando ainda o "ambiente culto, politizado, resistente" em que viveu.

O arquiteto Raul Hestnes Ferreira, 86 anos, morreu no domingo à noite, em Lisboa, cidade onde nasceu, em 1931.

O gosto pela arquitetura surgiu-lhe muito cedo devido ao contacto com Francisco Keil do Amaral.

Estudou na Escola Superior de Belas Artes, em Lisboa, onde recebeu o diploma de arquiteto, em 1961, foi bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian, nos Estados Unidos, na Universidade de Yale e na Universidade de Pensilvânia, depois de ter passado pela escola de Helsínquia, na Finlândia.

Filho do escritor José Gomes Ferreira (1900-1985), Hestnes Ferreira projetou, entre outros, a Biblioteca Municipal de Marvila, a Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa, o ISCTE -- Instituto Universitário de Lisboa, a Casa da Cultura de Beja ou a Casa de Albarraque, que desenhou para o pai, em Cascais.

Fez a remodelação e valorização do Museu de Évora e a recuperação do Café Martinho da Arcada (Lisboa) e esteve entre os finalistas a concurso para a Ópera da Bastilha, em Paris.

Entre os projetos habitacionais, conta-se o do bairro das Fonsecas e Calçada, em Alvalade, em Lisboa, das cooperativas Unidade do Povo e 25 de Abril, que remonta a 1975.

Recebeu o Prémio Nacional de Arquitectura e Urbanismo, da secção portuguesa da Associação Internacional de Críticos de Arte, o Prémio Nacional de Arquitetura da antiga associação de arquitetos (anterior à Ordem) e o Prémio Valmor.

Tópicos:

Arcada, Arquitectura, Bastilha, Belas, Fonsecas Calçada, Helsínquia, ISCTE, Keil, Raul Hestnes, Raúl Hestnes,

A informação mais vista

+ Em Foco

Uma parte central da Ponte Morandi, em Génova, Itália, desabou na manhã de terça-feira durante uma tempestade. Morreram dezenas de pessoas.

    Há uma nova rota turística pela cidade de Lisboa, baseada em memórias de lisboetas mais antigos. São beneficiários da Associação Mais Proximidade Melhor Vida.

    É um desejo antigo do Homem poder tocar as estrelas. Um feito que parece ser agora "quase" alcançável através da missão espacial solar Parker.

      Entre as 21h00 de domingo e as 8h00 de segunda-feira, o mundo viu uma chuva de Perseidas, espetáculo habitual em agosto. Nos locais mais remotos, foi possível admirar melhor o fenómeno.