Programa transfronteiriço de quatro milhões de euros vai permitir circulação de artistas e projetos culturais

| Cultura

O Programa Centro Magalhães vai envolver um investimento de quatro milhões de euros e permitir a "circulação de artistas e de projetos culturais" entre o Alentejo, Algarve e a Andaluzia (Espanha), revelou hoje a ministra da Cultura.

"O tripé" baseado na "história, criatividade e cooperação" é o que melhor representa o projeto, resumiu Graça Fonseca, em declarações aos jornalistas no final da apresentação do programa, que decorreu no Mosteiro de São Bento de Cástris, em Évora.

Financiado pelo INTERREG V A Espanha Portugal (POCTEP) e integrado no projeto mais amplo denominado SPHERA Cástris para as Indústrias Culturais e Criativas, o Magalhães vai ser executado a partir deste ano e até 2021.

Segundo a ministra, o programa "vai ligar projetos nas zonas do Alentejo, Algarve e Andaluzia", em Espanha, estando presente "a dimensão da cooperação e da rede", pois "vai permitir a circulação de artistas e de projetos culturais" entre as regiões.

"Portugal é um país com um património muito rico, mas tem uma dimensão não comparável com outros países, nomeadamente o nosso vizinho, Espanha", assinalou, apontando a necessidade de criar "projetos que construam redes para além do território e do mercado portugueses".

Graça Fonseca congratulou-se com o facto de o projeto, que envolve cerca de quatro milhões de euros, permitir "continuar a preservação do Mosteiro" de São Bento de Cástris e ter "uma programação sustentada, com residências artísticas e centros expositivos".

"Tem uma dimensão de residências artísticas, que vai permitir ter artistas residentes a programar, como também tem uma parte de incubação, uma dimensão de apoio ao empreendedorismo e apoio a projetos na área das indústrias culturais e criativas", realçou.

De acordo com a governante, os quatro milhões de euros abrangem as componentes de "reabilitação das infraestruturas" e "programação" e serão aplicados nos dois polos do programa, o mosteiro e a Escola de Artes da Universidade de Évora.

Também em declarações aos jornalistas, a diretora regional de Cultura do Alentejo, Ana Paula Amendoeira, indicou que já foram investidos em obras no mosteiro, nos últimos quatro anos, "mais de 600 mil euros".

"Temos vários espaços que foram recuperados, fizemos agora as instalações elétricas e estamos a fazer as casas de banho", mas são "intervenções à escala das nossas possibilidades e sempre intervenções relativamente pequenas para a dimensão do monumento", indicou.

Com o apoio financeiro do Programa Centro Magalhães, vai ser possível realizar "uma intervenção mais consequente e abrangente", frisou, admitindo que ainda "não dá para fazer tudo aquilo que é necessário"

O Mosteiro de São de Bento de Cástris, classificado como monumento nacional, poderá, neste projeto, acolher residências, intercâmbios de arte, ciência e património, e incubação de indústrias criativas e culturais.

Será também um novo espaço cultural na região, com salas de exposições permanentes e temporárias, para usufruto dos cidadãos, segundo a tutela.

Na Escola de Artes da Universidade de Évora, irá nascer um laboratório criativo com equipamentos de fabricação digital e prototipagem rápida, aberto aos estudantes da universidade, a artistas, criativos e à população em geral e que servirá como espaço de apoio à incubação de indústrias criativas.

"Pretende-se desenvolver linhas de ação transfronteiriças que reforcem a capacitação do setor das indústrias culturais e criativas das regiões envolvidas: Alentejo, Algarve e Andaluzia", segundo o Governo.

No Alentejo são parceiros do programa a Direção Regional de Cultura do Alentejo e a Universidade de Évora, tendo a candidatura sido promovida pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) do Alentejo.

Tópicos:

Alentejo Algarve, Andaluzia, Bento Cástris, Criativas,

A informação mais vista

+ Em Foco

O maior campo de refugiados na Europa fica na ilha grega de Lesbos. O campo de Moria alberga quase oito mil pessoas, três vezes mais do que a capacidade instalada. Reportagem RTP.

A receita da venda desta madeira ultrapassará os 15 milhões de euros, que devem ser investidos na nova Mata do Rei.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.