ONU considera dívidas escondidas de Moçambique um exemplo a não seguir

por Lusa

A secretária-executiva da Comissão Económica das Nações Unidas para a África (UNECA, sigla em inglês), classificou a crise da dívida escondida em Moçambique como um caso criminal que poderia ter sido evitada se houvesse transparência dos contratos públicos.

"É um problema criminal e estamos a lidar com isso", afirmou Vera Songwe, comentando o escândalo de dívidas assumidas por empresas estatais moçambicanas, com garantia de Estado, no valor de dois mil milhões de euros.

Os três empréstimos estão a ser investigados por autoridades judiciais internacionais e foram contraídos sem conhecimento dos poderes públicos moçambicanos.

A crise da dívida soberana motivou um `default` no pagamento a credores e obrigou o Estado a fazer novos acordos de pagamento.

"É aqui que a importância da transparência dos contratos se revela. Se houvesse a regra da transparência, esses contratos teriam sido públicos e nada disso teria acontecido", afirmou Vera Songwe à Lusa.

"Temos de ter uma abordagem multilateral" nestes casos e promover a boa gestão dos dinheiros públicos, considerou a dirigente da UNECA, defendendo que Moçambique deve ser considerado um exemplo a não seguir pelo resto do continente.

"Deve existir a regra de publicitar os contratos públicos" dos Estados, defendeu. "Se pudermos ver os contratos, poderemos saber quem é que está de boa-fé e quem não está", disse Vera Songwe, considerando que o continente tem demasiados casos semelhantes de falta de transparência.

"Esta é uma das questões que tem de mudar", disse, falando à Lusa, à margem dos encontros anuais do banco pan-africano Afreximbank, que decorreram em Moscovo.

Tópicos