PIB `per capita` em Portugal vai crescer acima da média dos países da OCDE até 2060

| Economia

O Produto Interno Bruto (PIB) 'per capita' em Portugal vai aumentar 75,15% até 2060, acima da média dos países da OCDE, de 69,97%, segundo um estudo da organização hoje divulgado.

Num relatório prospetivo de muito longo prazo hoje divulgado, a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE) calcula que os maiores crescimentos do PIB 'per capita' (riqueza por pessoa) até 2060 ocorram na Turquia (115,25%), na Eslováquia (90,14%), na Irlanda (84,05%), na República Checa (84,41%), em Israel (83,90%), na Letónia (81,88%) e no México (77,78%).

Menor que o aumento de Portugal, mas acima da média da OCDE, a organização prevê um acréscimo do PIB 'per capita' até 2060 na Colômbia (73,48%).

No outro extremo, a organização prevê que crescimentos abaixo dos 60% se registem em países como Espanha (54,11%), Canadá (54,33%), Itália (56,09%), Estados Unidos (57,15%), Grécia (58,70%), Suíça (58,82%) e finlândia (59,78%).

Fora da OCDE, a Rússia - considerada uma das potências emergentes do grupo BRIICS (Brasil, Rússia, Índia, Indonésia, China e África do Sul) - terá uma progressão de 42,06%, devido ao envelhecimento (e à redução) da população e a fracas melhorias da produtividade laboral.

Esta progressão contrasta com a maior parte dos grandes emergentes, cujo progresso do nível de vida será muito superior à média da OCDE, particularmente na Índia (163,82%) e na China (113,76%).

Tópicos:

BRIICS, Checa % Israel %, OCDE, Turquia % Eslováquia %,

A informação mais vista

+ Em Foco

O economista guineense Carlos Lopes considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

    Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.