STE junta-se à Frente Comum e à FESAP e admite greve no Estado no dia 26

| Economia

O Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE) anunciou hoje que emitiu um pré-aviso de greve para dia 26 contra a falta de proposta do Governo para aumentos salariais, juntando-se assim às outras duas estruturas sindicais da função pública.

O anúncio foi feito pela presidente do STE, Helena Rodrigues, à saída de uma reunião com o ministro das Finanças, Mário Centeno, em Lisboa, no âmbito das negociações para o Orçamento do Estado para 2019 (OE2019).

A dirigente sindical saiu "dececionada" da reunião no Ministério das Finanças, a quarta sobre o tema, devido à ausência de propostas concretas para a função pública, nomeadamente sobre aumentos salariais.

Questionada sobre se o STE, filiado na UGT, vai avançar para a greve dia 26, tal como já admitiram a Frente Comum, da CGTP e a Federação de Sindicatos da Administração Pública (FESAP), da UGT, Helena Rodrigues respondeu que já tinha entregue o pré-aviso.

"O STE também tem pré-aviso para esse dia", disse Helena Rodrigues.

Sobre a reunião de hoje com Mário Centeno, a dirigente do STE disse que o ministro "não referiu sequer qualquer valor", preferindo falar antes sobre "a sustentabilidade das contas públicas".

"Foi uma reunião em que nos cumprimentámos, mas de concreto, de substantivo não tivemos nada", afirmou a sindicalista, referindo que o STE vai pedir negociação suplementar ao Governo, tal como a FESAP.

As três estruturas sindicais estão esta tarde a ser ouvidas nas Finanças.

Tópicos:

Comum,

A informação mais vista

+ Em Foco

A 15 de outubro de 2017, uma vaga de incêndios fez 50 mortos e dezenas de feridos. Reunimos aqui um conjunto de reportagens elaboradas um ano depois da catástrofe.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

      Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

        O desaparecimento do jornalista saudita fragiliza a relação dos EUA com uma ditadura que lhe tem sido útil a combater o Irão e a manter os preços do petróleo.