Bruxelas premeia projetos portugueses com 30 milhões

por Antena 1

Foto: Rawpixel.com/ Shutterstock

Dois projetos portugueses receberam esta quarta-feira, em Bruxelas, 30 milhões de euros no âmbito do programa Horizonte 2020. Os prémios foram entregues aos projetos selecionados durante as Jornadas Europeias da Investigação e Inovação.

Para os autores dos projetos, que são desenvolvidos em parceria com países mais desenvolvidos, é fundamental que a União Europeia apoie países e regiões que ainda precisam de fixar projetos e equipas.

Projetos portugueses premiados:

  • MIA-Portugal (Multidisciplinary Institute of Ageing) – liderado pela Universidade de Coimbra, em parceria com a Universidade de Newcastle upon Tyne, a Universidade de Groningen e o Instituto Pedro Nunes. Este projeto criará o primeiro centro de excelência em investigação sobre o envelhecimento no Sul da Europa. O objetivo geral do novo centro de excelência consiste em melhorar a saúde e o bem-estar de uma população em envelhecimento e beneficiar do potencial de excelência científica e de inovação para criar oportunidades de negócio. Com base numa posição de liderança internacional no domínio do envelhecimento, irá criar conhecimentos para promover uma vida saudável, desenvolver, validar e fornecer intervenções que melhorem a esperança de vida saudável humana, com especial destaque para os membros da população com a esperança de vida saudável mais baixa, e promover a transferência de inovação para práticas e serviços. Tal contribuirá para reduzir a carga socioeconómica das doenças crónicas e o envelhecimento inadequado da população, promovendo a independência funcional, estimulando a economia e criando novos postos de trabalho altamente qualificados.

  • BIOPOLIS – liderado pelo ICETA (Instituto de Ciências e Tecnologias Agrárias e Agroalimentares), da Universidade do Porto, em parceria com a Universidade de Montpellier e a Porto Business School Association. Através do projeto, a unidade de investigação CIBIO (Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos) passará a ser um centro de excelência de I&D&I. Com base num plano empresarial ambicioso, o projeto visa o estabelecimento da BIOPOLIS como um dos melhores centros internacionais de excelência em biologia ambiental, investigação sobre ecossistemas e agrobiodiversidade, com capacidade para difundir a excelência para a inovação nos domínios do ambiente, da biodiversidade e da agricultura, contribuindo assim para o desenvolvimento socioeconómico a nível regional e nacional. O centro de excelência fará avançar a compreensão biológica desde os genes até aos ecossistemas e utilizará estes conhecimentos para fazer face a desafios prementes através do desenvolvimento de investigação de craveira mundial, do estabelecimento de parcerias estratégicas a longo prazo, do envolvimento das partes interessadas e da transferência e exploração dos resultados da investigação. Este objetivo será alcançado atraindo investigadores talentosos, proporcionando excelentes condições para a investigação, formação, internacionalização e trabalho em rede, alinhando a investigação com os desafios societais e as estratégias de especialização inteligente, desenvolvendo programas de formação avançados ambiciosos, desenvolvendo intensas atividades de comunicação, divulgação e exploração e estabelecendo um programa sólido de parcerias e outros mecanismos para promover a tradução da investigação e inovação em aplicações e oportunidades de negócio. A BIOPOLIS promoverá, assim, a excelência num país com pouca atividade de investigação e promoverá o desenvolvimento económico sustentável.
Cada um destes projetos vai receber um financiamento da União Europeia no valor de 15 milhões de euros.

A reportagem é da correspondente da Antena 1 em Bruxelas, Andrea Neves.