Submarino nuclear russo. Noruega deteta fuga radioativa

| Mundo

Fotografia de um outro submarino russo afundado ao largo da Noruega
|

O submarino soviético, naufragado há 30 anos, está a emitir níveis de radiação "100 mil vezes superior ao normal". Contudo, a situação não é alarmante.

Komsomolets, o submarino nuclear russo naufragado, na Noruega, a mais de 1600 metros de profundidade, está a libertar altos níveis de césio radioativo.

O césio é o elemento químico responsável pelo maior acidente radioativo registado na história. Ainda assim, o caso “não é alarmante”, afirma Hilde Elise Heldal, do Instituto Norueguês de Pesquisa Marinha.

“Os níveis que detetámos estavam claramente acima do normal nos oceanos, mas não eram alarmantes. Em geral, os níveis de césio encontrados no Mar da Noruega são muito baixos e como o naufrágio é tão profundo, a poluição causada pelo Komsomolets é rapidamente diluída”, explica.

A equipa de investigadores do Instituto Norueguês de Pesquisa Marinha detetou valores de 100 becquerel (bq) por litro. Os valores normais das águas do mar nórdico rondam os 0.001 bq por litro.

Enquanto as amostras de água eram recolhidas por um mini-submarino, controlado remotamente, os cientistas observaram uma "nuvem ocasional" a emergir através de um tubo de ventilação. A equipa acredita que o tubo pode estar em contacto direto com a carga radioativa do navio.

"Temos observado uma espécie de nuvem a sair desse buraco, de vez em quando. Em paralelo com o teste em que medimos a poluição, uma nuvem também saiu do buraco. Isso pode indicar que a poluição sai por impulsos", revela Hilde Elise Heldal.

Contudo, "os resultados são preliminares", visto que os níveis de radiação detetados não são ameaçadores. Ainda assim, é "importante que o acompanhamento continue, para que tenhamos um conhecimento atualizado da evolução da poluição na área em torno do naufrágio", conclui.

Desde o acidente nuclear de Chernobyl, em 1986, que as autoridades russas e norueguesas estão em alerta e a monitorizar todas as radiações vindas dessa área.

A informação mais vista

+ Em Foco

É até hoje a mais icónica das aventuras da exploração espacial. Há 50 anos, o Homem chegava à Lua à boleia da NASA. Percorrermos aqui todos os detalhes da missão, dia a dia.

    O programa Artemis, da NASA, tem como objetivo regressar ao satélite natural da Terra e, simultaneamente, preparar a viagem a Marte.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

      Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.