Ensino superior e ciência também descongelam carreiras, mas ministro não sabe quanto custará

| País

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, garantiu hoje o descongelamento de carreiras para os docentes do ensino superior e investigadores em 2018, mas não sabe ainda quanto isso vai custar.

À saída da audição pela comissão parlamentar de Educação e Ciência na Assembleia da República, onde esta tarde foi ouvido pelos deputados no âmbito da discussão na especialidade do Orçamento do Estado para 2018, o ministro garantiu o descongelamento também na ciência e no ensino superior.

"Vai ser feito em todas as áreas de forma idêntica. O que está combinado é que o Ministério das Finanças fixará a dotação que depois será distribuída pelas instituições, uma vez que cada instituição tem práticas diferentes de esquemas de progressão na carreira", disse Manuel Heitor aos jornalistas.

Questionado sobre o peso desse descongelamento no Orçamento do Estado para o próximo ano, o ministro disse que não sabe ainda qual o valor.

"Não tenho definido", disse.

A informação mais vista

+ Em Foco

Passaram sete anos desde o início das “Primaveras Árabes”. Regimes mudaram, guerras civis rebentaram, houve conflitos que alteraram dinâmicas regionais e vazios de poder que deram origem a Estados falhados.

Veja ou reveja a primeira entrevista de Rui Rio depois de ter sido eleito presidente do PSD.

Na hora da despedida da liderança social-democrata, as juventudes partidárias olham para o legado do ex-primeiro-ministro, com uma pergunta em mente: se Portugal não falhou, o que dizer de Pedro Passos Coelho?

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.