"Vende-se" Ciência e Tecnologia em Lisboa no ICT2015

| Ciências

|

A maior conferência da Europa dedicada às tecnologias de informação, o ICT2015, decorre no Centro de Congressos de Lisboa e convidou um vasto painel de oradores e de expositores a falar, vender e mostrar ciência e tecnologia.

Está patente no Centro de Congressos de Lisboa a maior conferência europeia de investigação e desenvolvimento europeu em Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC).

Cerca de cinco mil metros quadrados recebem os mais de sete mil participantes que se inscreveram para ouvir o que de melhor se faz ao nível das TIC.

Um evento com base numa iniciativa da Comissão Europeia - este ano promovida em conjunto com a Fundação para Ciência e Tecnologia (FCT) - que se realiza em Lisboa, entre os dias 20 e 22 de outubro.
FCT na organização

Mais de sete mil participantes (1.500 portugueses), 130 oradores e 150 projetos inovadores estão presentes no primeiro evento ICT 2015 - Innovate, Connect, Transform realizado em Portugal.

Uma iniciativa da Comissão Europeia, coorganizada pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) em que Portugal está representado através de 14 stands, com as 50 instituições mais representativas da área.

Pedro Carneiro, da FCT, é o organizador português à frente de toda a preparação e realização do evento.
No ICT2015 estão vários representantes portugueses entre os quais dois robôs, do IST, cuja aplicação no dia-a-dia serve para ajudar a servir a comunidade, quer no meio social, quer no meio clínico.
Para Pedro Carneiro este evento, o primeiro do género em Portugal, é a montra ou a reunião onde se realiza e analisa o progresso das valências tecnológicas globais.

Envolve investigadores na áreas ligadas à tecnologia, académicos, investidores e empreendedores que pretendem utilizar a ciência e a tecnologia como base dos projetos.



Para o organizador, este tipo de eventos serve também como ponto de encontro entre investigadores e fontes de financiamento, que a nível europeu é feito em rede.

"É fundamental, hoje em dia a ciência desenvolve-se em rede, em contatos e portanto este tipo de eventos potencia estes tipos de contatos, logo é fundamental, não só a fundação mas especialmente as unidades, os projetos, os investigadores tenham acesso a este tipo de eventos de forma a poderem preparar-se de maneira competitiva para os concursos nacionais e internacionais".

Portugal foi a escolha para a realização do certame, depois de ter estado em competição com outros países europeus como a Holanda e a Itália, tendo a Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) um papel fundamental para a promoção do país, bem como do campo científico e tecnológico.

A localização foi um dos pontos mais destacados pela FCT para a realização do ICT2015, sendo este evento uma oportunidade relevante para colocar Portugal no mapa da inovação e da tecnologia.

Pretende-se alargar contactos aos investigadores e empreendedores portugueses, com vista a oportunidades de financiamento no programa Horizonte 2020.
RCAAP - um repositório de ideias científicas
A ideia consiste em juntar e armazenar ideias, dados, palestras, investigações e teses científicas que depois se podem consultar e descarregar da Internet.

Com mais de 150 mil documentos, o Portal do Repositório Científico de Acesso Aberto de Portugal (RCAAP) vê consolidada a função de agregador da ciência portuguesa em acesso aberto dado que estes documentos.

Os documentos, disponíveis para download a qualquer internauta, apresentam-se assim sem restrições ou barreiras.

Um projeto que aos pouco tem sido replicado na Europa, através dos espaços de ensino universitário público.

Mas para Ana Cristina Neves, diretora do Departamento de Sociedade de Informação da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, em Portugal, a ideia é fornecer ao mundo o conhecimento e partilha do que melhor se faz no universo da investigação.



Em entrevista ao site da RTP, Ana Neves explicou que "o investigador, ao ter acesso a outros dados, sem custos, mais rapidamente tem mais conhecimento, tem acesso a outras coisas, e o conhecimento anda muito mais depressa e o mesmo vai acontecer com os dados".

Em Portugal, o projeto já demonstrou progressos assinaláveis no movimento de acesso aberto ao conhecimento científico.

Nos últimos anos, o projeto RCAAP, devido à sua versatilidade, já conseguiu afirmar-se e ganhar o reconhecimento a nível nacional e internacional.

Quanto ao financiamento dos investigadores, a diretora do RCAAP, ligado ao FCT, diz que as questões financeiras estão diretamente associadas ao Orçamento do Estado, mas existe sempre grande interesse, por parte da comunidade científica portuguesa, em ter verbas disponíveis para melhorar o que de melhor se faz em ciência e tecnologia no país.

Portugal representado por 50 entidades

O ICT2015 apresenta um vasto programa de exposições e conferências, assim como várias valências dirigidas às áreas de investigação e desenvolvimento informático.

As startups têm neste espaço um papel importante, dando a conhecer novas formas de lidar com a ciência e a tecnologia, onde se destaca a área da robótica, através de aplicações de interatividade e exploração do comportamento humano.

Um desses exemplos, presente no ICT2015, é o projeto "Mordomo e Gasparzinho" do Instituto Superior Técnico.

Dois robôs cuja aplicação no dia-a-dia serve para ajudar a servir a comunidade, quer no meio social, quer no meio clínico.



O evento está mais focado em profissionais das diferentes áreas científicas, mas a organização não quis que o público em geral ficasse arredado.

Fora do espaço da exposição, na Praça do Comércio,  a organização do ICT2015 construiu um pequeno observatório que serve de montra ao público. Ali, são dados a conhecer vários projetos inovadores.



Jornalista: Nuno Patrício - RTP
Imagem e edição: Pedro A. Pina - RTP

Tópicos:

Ciências, Investigação, Robótica, Tecnologia, ICT2015,

A informação mais vista

+ Em Foco

O editor de Política Internacional da RTP, Ricardo Alexandre, comentou a sentença do antigo general sérvio-bósnio.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.