20.ª Mostra de Teatro de Almada com 16 estreias em 24 espetáculos

| Cultura

Dezasseis estreias, num total de 24 espetáculos, fazem parte da 20.ª Mostra de Teatro de Almada, a decorrer de 05 a 20 de novembro, em teatros municipais e salas de associações e coletividades do concelho, divulgou hoje a organização.

No ano em que celebra o 20.º aniversário, a Mostra define um programa que contempla espetáculos de mais de duas dezenas de grupos de teatro de Almada, que levarão aos palcos textos originais e inéditos da dramaturgia contemporânea de autores e encenadores locais e outros inspirados em Gil Vicente, José Régio, Václav Havel, Lewis Caroll ou William Shakespeare, entre outros.

"O escritor que não lia livros", pelo Cénico da Incrível Almadense, "O feiticeiro de Oz", pela Companhia de Teatro Musical Plateia d`Arte, "Três máscaras", pela associação cultural A Lagarto Amarela, e "A dúvida", pela associação cultural O Outro Lado, são algumas das estreias anunciadas.

"Pranto de Maria Parda", de Gil Vicente, pelo Teatro na Gandaia, no ano em que se assinalam os 480 anos da morte daquele que é considerado o fundador do teatro moderno português, é outra das estreias do certame, que decorrerá em dez espaços do concelho de Almada.

Uma cerimónia de abertura no Teatro-Estúdio António Assunção, em Almada, seguida de uma "debandada teatral", com grupos locais e a atuação das bandas filarmónicas da Academia e da Incrível Almadense, com direção artística de Tiago Pereira, assinalam a abertura do certame.

O primeiro dia da Mostra contempla ainda uma exposição sobre os 20 anos da mostra e uma homenagem a Vítor Azevedo, ator e encenador do Grupo de Iniciação Teatral da Trafaria (GIIT), cujo texto será lido por Marcos d`Arede.

Organizada pela Câmara Municipal de Almada, em conjunto com os grupos de teatro amador do concelho, a iniciativa conta este ano com a participação de grupos como Alpha Teatro, o Mundo do Espetáculo, Artes e Engenhos, OTA -- Oficina de Teatro de Almada, Crème de la crème, Grupo de Teatro da Associação Cultural Manuel da Fonseca, entre outros.

Debates com a participação de Rodrigo Francisco, diretor da Companhia de Teatro Municipal de Almada, ou de João Garcia Miguel, entre outros, e iniciativas de convívio entre atores e público fazem ainda parte da programação da Mostra.

"Retratos", uma criação coletiva com coordenação de Fernando Jorge, levada à cena pelo Teatro Extremo, no Teatro-Estúdio António Assunção, no dia 20, às 22:30, encerra o festival.

Tópicos:

Almada, Alpha, Arede Organizada, Cénico, Estúdio Assunção, Garcia, Gil Vicente Régio Václav Havel Lewis Caroll, Iniciação Teatral, Lagarto Aela, Parda, Rodrigo,

A informação mais vista

+ Em Foco

Houve aldeias ceifadas e vidas destruídas. O medo viveu ao lado de histórias de heroísmo. Contamos as estórias que agora preenchem dezenas de aldeias esquecidas, muitas pintadas a cinza.

    Jorge Paiva, botânico e professor, um dos maiores peritos da floresta, critica em entrevista à Antena 1 o desinteresse generalizado dos políticos pelos problemas da floresta.

    É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

    Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.