Artista Leonel Moura lança hoje livro "A invasão dos robôs"

| Cultura

O artista plástico Leonel Moura alerta, num novo livro que será hoje lançado, em Lisboa, para a "invasão dos robôs", em curso na vida quotidiana, que provocará alterações radicais nas sociedades das próximas décadas, como o enorme aumento do desemprego.

O livro intitula-se "A invasão dos robôs", e será lançado pelas 18:30, na livraria da Editora Aletheia, em Lisboa, com a apresentação por Pedro Lima, do Instituto de Sistemas e Robótica e Instituto Superior Técnico.

Contactado pela agência Lusa, quando o livro foi anunciado, o artista plástico, que desde o final dos anos 1990 se dedica à robótica aplicada à arte e ao estudo da inteligência artificial, disse que decidiu publicar o livro para partilhar o conhecimento adquirido nesta área.

"Estamos a ser invadidos por robôs. Cada vez mais autónomos e inteligentes. Essa invasão é impercetível, camuflada na catadupa de inovações tecnológicas que nos chega todos os dias. Torna-se difícil distinguir um novo `gadget` de algo que vai mudar as nossas vidas de forma irremediável", considera o autor.

Embora aponte aspetos negativos e positivos nesta "invasão" de tecnologias, o artista considera que é decisivo para o nosso futuro perceber o que está a acontecer, "antes que seja tarde demais".

Um dos aspetos negativos é a previsão do aumento exponencial do desemprego: "Não será mais um desemprego temporário, pontual. Pelo contrário, significará que uma parte muito substancial da população não terá qualquer ocupação durante toda a sua vida".

Em relação a esse panorama, "é preciso repensar o conceito de trabalho, a forma como se garante a sobrevivência das pessoas, e o que elas podem fazer".

Para Leonel Moura, a robótica aliada à inteligência artificial "tem já hoje um enorme impacto social, económico e civilizacional e terá ainda mais no futuro".

Entre outras obras, Leonel Moura publicou, em 2013, "Robot Art", com o essencial da sua obra com robôs aplicados à arte, e este ano "Robots and Art", editado pela Springer, com textos de artistas de referência nesta área.

Tópicos:

Leonel Moura,

A informação mais vista

+ Em Foco

O editor de Política Internacional da RTP, Ricardo Alexandre, comentou a sentença do antigo general sérvio-bósnio.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.