Artista Pedro Vaz vai estar a pintar o Jardim Botânico de Coimbra durante um ano

| Cultura

O artista plástico Pedro Vaz vai estar a pintar "continuamente", durante um ano, o Jardim Botânico da Universidade de Coimbra, numa iniciativa integrada na bienal de arte contemporânea da cidade, que está a decorrer.

A pintura vai ser realizada numa tela de 4,5 metros por 1,5 metros, no patamar dos canteiros do Jardim Botânico, procurando "captar" o jardim e as suas mudanças ao longo de um ano.

Para isso, o artista vai usar a tela "como um palimpsesto", em que se pinta por cima de um suporte já utilizado, "registando as mudanças do tempo e das estações no Jardim", explanou o diretor da bienal de arte contemporânea Anozero, Carlos Antunes.

A pintura vai começar depois da bienal Anozero terminar - 29 de novembro -, sendo que, para captar o jardim e as suas constantes alterações, o artista vai recorrer à técnica de "pentimento", um processo artístico em que a alteração à pintura é feita quando o trabalho criativo ainda está a decorrer.

A instalação vai ser visível a partir de uma das entradas do Jardim Botânico, atrás da estátua de Avelar Brotero.

Para Carlos Antunes, esta é mais uma prova da vontade da organização da bienal de que esta perdure para lá "dos 30 dias de festa". "Não queremos que o Anozero seja uma festa de dois em dois anos".

Carlos Antunes falava durante a apresentação do espaço "Speaker`s Garden", também integrado na bienal, e que tem por objetivo ser um espaço de encontros e de acolhimento de atividades não pré-programadas do Anozero.

O espaço, dotado de cadeiras e que contou com a requalificação de um quiosque, pode ser utilizado para "discussões, conversas ou encontros fortuitos", mediante agendamento e reserva junto da organização da bienal, explanou o diretor do Jardim Botânico, António Gouveia.

A vice-reitora da Universidade de Coimbra, Clara Almeida Santos, aproveitou a apresentação do "Speaker`s Garden" para fazer um balanço da bienal, que arrancou a 31 de outubro, constatando que tem vindo "muita gente de fora de Coimbra", particularmente jovens, para visitar os espaços da bienal.

Clara Almeida Santos referiu ainda que esta primeira edição da bienal é também "um momento de aprendizagem" para se perceber como fazer o evento em 2017.

"Temos consciência de que há aspetos a melhorar", disse a vereadora da Cultura da Câmara de Coimbra, Carina Gomes.

A primeira edição da bienal de arte contemporânea "Anozero" junta nomes consagrados e jovens artistas que, em mais de 20 exposições, dialogam com o edificado de Coimbra, na zona classificada como património mundial e não só.

A bienal tem obras e exposições em lugares tão distintos como o café Santa Cruz, o Jardim Botânico, o Museu da Ciência, o Museu Nacional Machado de Castro, o Colégio da Graça ou a Biblioteca Joanina, contando com a presença dos artistas Julião Sarmento, Francisco Tropa, António Olaio, Rui Chafes, Matt Mullican, Lawrence Weiner e Adriana Varejão, entre outros.

A bienal é organizada pelo Círculo de Artes Plásticas de Coimbra, em conjunto com a Universidade de Coimbra e a Câmara Municipal de Coimbra.

Tópicos:

Anozero, Colégio, Cruz, Jardim Botânico, Sarmento Tropa Olaio Chafes Matt Mullican Lawrence Weiner,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

      Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.