Beja e Faro são as próximas etapas de "Viagem Literária"

| Cultura

Beja e Faro, respetivamente, a 28 de novembro e a 05 de dezembro, são as duas últimas estapas, este ano, da "Viagem Literária", um projeto da Porto Editora, iniciado no passado 25 de Abril, em Bragança.

Em Beja, a sessão acontece no Teatro Pax Julia, com os escritores Mário de Carvalho e Sérgio Godinho, no próximo dia 28, a partir das 17:00, e, uma semana depois, no dia 05 de dezembro, também às 17:00, o Teatro das Figuras, em Faro, é cenário para a conversa entre os autores Gonçalo M. Tavares e Bruno Vieira Amaral, distinguido este ano com o Prémio Saramago.

O projeto "Viagem Literária" visa apresentar dois escritores à conversa com o jornalista João Paulo Sacadura, em sessões abertas ao público, que também pode intervir. Uma iniciativa "descentralizadora", segundo Rui Couceiro, da Porto Editora, que a descreveu à Lusa como "um festival em capítulos".

A "Viagem Literária", depois de Bragança, passou por mais seis capitais distritais: Vila Real, Viseu, Guarda, Castelo Branco, Portalegre e Évora.

Em 2016, a "viagem" é retomada no Funchal, a dia 23 de janeiro, contando passar, depois, por mais oito cidades: Ponta Delgada, Setúbal, Santarém, Leiria, Coimbra, Aveiro, Braga e Viana do Castelo.

Mário de Carvalho, de 71 anos, um dos intervenientes em Beja, estreou-se literariamente com a obra "Contos da sétima esfera", que "causou surpresa pelo inesperado da abordagem ficcional e pela peculiar atmosfera, entre o maravilhoso e o fantástico", realçou à Lusa fonte da Porto Editora.

"Desde então, tem praticado diversos géneros literários, percorrendo várias épocas e ambientes, sempre em edições sucessivas; nas diversas modalidades de romance, conto e teatro, foram atribuídos a Mário de Carvalho os prémios literários portugueses mais prestigiados", realçou a mesma fonte.

A obra "A liberdade de Pátio Grande", publicada no ano passado pela Porto Editora, valeu-lhe o Prémio de Conto Camilo Castelo Branco/Câmara de Vila Nova de Famalicão/Associação Portuguesa de Escritores.

O outro parceiro de conversa, na capital baixo-alentejana, é Sérgio Godinho, de 70 anos, cantor, compositor, ator, realizador e escritor, autor, entre outros, dos livros, "Pequeno livro dos medos", "Vidadupla" e "O sangue por um fio".

Na capital do Algarve vão sentar-se à conversa, no palco do Teatro das Figuras, além de João Paulo Sacadura, Bruno Vieira Amaral, de 35 anos, e Gonçalo M. Tavares, de 45 anos.

Vieira Amaral é licenciado em História Moderna e Contemporânea pelo ISCTE -- Instituto Universitário de Lisboa, autor do "Guia para 50 personagens da Ficção Portuguesa" e do blogue Circo da Lama.

A sua estreia no romance com "As primeiras coisas" valeu-lhe o Prémio P.E.N. Clube Narrativa e o Prémio Fernando Namora/Estoril Sol, no ano passado, assim como o Prémio José Saramago, este ano.

Gonçalo M. Tavares tem publicado títulos em diferentes géneros literários e foi distinguido com vários galardões, tanto em Portugal, como no estrangeiro.

O romance "Jerusalém" valeu-lhe o Prémio José Saramago, em 2005, o Prémio Ler/Millenium-BCP e Prémio Portugal Telecom de Literatura, do Brasil, em 2007.

A obra "O senhor Valéry", que inaugurou, em 2002, a série "O bairro", constituída por dez títulos, recebeu o Prémio Branquinho da Fonseca/Fundação Calouste Gulbenkian -- Expresso.

Em 2010, o seu livro" Aprender a rezar na era da técnica" recebeu o Prémio para o Melhor Livro Estrangeiro em França.

Gonçalo M. Tavares é um dos dez escritores que fazem parte do Comité do Finnegan`s List 2014, da European Society of Authors, e está a ser traduzido para cerca de trinta línguas.

Tópicos:

Bragança, Branquinho Fonseca Calouste Gulbenkian Expresso, Carvalho, Circo, Comité Finnegan List European Society, Faro, Ficção, Figuras, Gonçalo M Tavares Bruno, Moderna Contemporânea ISCTE, P N, Pax, Pátio, Sacadura Bruno Aal, Saram, Sérgio Godinho,

A informação mais vista

+ Em Foco

A Redação da RTP votou sobre as figuras e acontecimentos mais destacados, a nível nacional e internacional. Veja aqui as escolhas.

    O verão acabou e com ele as horas de lazer nas praias. Mas a presença humana nestes locais ainda se faz sentir.

      Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.