Díli acolhe as sonoridades de quatro `terras de sal` com concerto dos Sal de Terra

| Cultura

As heranças comuns e as diferenças nacionais das sonoridades de quatro `terras de sal` (Portugal, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste) apresentaram-se este fim-de-semana unidas, em Díli, num concerto do projeto Sal de Terra.

O grupo é formado por sete músicos: os cabo-verdianos, Armindo Santos (cavaquinho) e Rogério Paulo (guitarra e voz), os portugueses Paulo Pereira (sopro e vozes) e António Bexiga (viola campaniça) e ainda os são-tomenses Bibiano Martins da Silva e Givilson Soares Viegas e o timorense Nelson Turquel, os três na percussão e voz.

O concerto do fim de semana no Hotel Timor em Díli (na terça-feira há um segundo na Universidade Nacional Timor Lorosa`e) marcou o fim de uma digressão pelos quatro países de onde são naturais os músicos.

Perante um público também multinacional, de praticamente todos os países da CPLP, os músicos reinventaram a música tradicional dos seus países, unindo sonoridades diferentes mas que, em muitos aspetos, se mostravam comuns.

"Ter a sonoridade timorense a ser tocada por músicos de países irmãos é muito interessante", disse à Lusa Nelson Turquel.

"Hoje senti um orgulho muito grande em cantar a minha música tradicional timorense, tocada por uma viola campaniça, um instrumento tradicional português. Por isso este é um projeto que tem que continuar", acrescentou.

Antonio Bexiga explicou que o primeiro álbum do projeto está na fase de mistura e masterização e que até ao final do ano já poderá começar a ser distribuído.

"Nós não fazemos uma fusão de estilos. Nós unimos, regressamos ao início. Há aqui um passado comum, não apenas pela língua, mas por melodias e elementos rítmicos comuns e tudo isso acaba por se reencontrar neste projeto", disse.

"As coisas saem todas naturalmente. Acho que todos nos revemos em todas as músicas. Quando as começamos a tocar elas fazem-nos todas sentido. É quase como um regresso a um passado comum", explicou, notando que talvez por isso tenha sido fácil escolher o reportório.

Tal como António Bexiga, também Paulo Pereira leva a sonoridade portuguesa, nomeadamente a alentejana, ao grupo, complementando a "natureza universalista" da música dos Sal de Terra.

"Partilhamos a língua e a jinga. Os portugueses têm mais a jinga do sul, do sul todo do mundo. Esta música que fazemos, não se escreve. Se a quiséssemos verter em partitura para um holandês tocar, ele não conseguiria com a facilidade com que nós tocamos", explicou o homem do sopro.

"Para nós isto é natural. Temos muitas vezes o preconceito de fazer as caixinhas que neste caso são muito ténues. Aqui o mais custoso, não foi a jinga, foi o de que todos cantemos as músicas de todos, especialmente pelas diferentes línguas que usamos", disse.

O Sal de Terra surgiu a partir de uma residência artística realizada em outubro de 2015 em Cabo Verde no âmbito do projeto Musica Tradicional, que pretende "contribuir para a redução da pobreza, através da promoção e consolidação de indústrias culturais viáveis nos países ACP (África, Caribe e Pacífico)".

A iniciativa pretende "promover o desenvolvimento social e económico, tendo em consideração a preservação da identidade e diversidade cultural", fomentando iniciativas que usem as artes culturais como catalisador deste desenvolvimento.

O grupo envolve sete músicos que conjuntamente criaram versões de músicas de cariz tradicional de cada país, divulgando depois essa produção musical e artística pelos países envolvidos, para assim ajudar a "promover a música tradicional".

Além dos concertos, o objetivo é promover encontros de intercâmbio cultural com músicos locais e ainda oficinas de música e dança tradicionais com professores e crianças de Timor-Leste.

Em Timor-Leste, o projeto Música Tradicional conta com a participação das organizações timorenses Abut e ETBU que apoiam várias ações de investigação e promoção de instrumentos de música tradicional e práticas culturais associadas, ações para a educação musical, organização de festival de música tradicional e ações de formação culturais.

Tópicos:

ACP, Abut, Givilson, Príncipe, Rogério, Timor Leste, Timor Lorosa, Verde,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.