Escritor da Covilhã dá vida a uma aldeia da década de 1960

| Cultura

Depois do romance "Diário dos Infiéis", o escritor covilhanense João Morgado lança-se numa segunda aventura literária com o livro "Meio-Rico", uma coletânea de contos que dá vida a uma aldeia da década de 1960.

O livro retrata "uma terra plena de gente simples e intemporal", refere o autor, "cheia de pequenos mundos interligados, em que todos se conhecem e partilham vidas".

João Morgado ambiciona servir de "companhia para noites de inverno".

Para o autor, "as conversas à lareira nas noites de inverno alimentam muitas memórias e por certo que as semelhanças entre os contos com algumas realidades nem sempre serão coincidência".

Entre as personagens estão a Cinderela, que escolheu continuar a lavar escadas, o ti`A`rnesto, infeliz por não ter filhos, o Berto, que tinha um sorriso elegante e se perdeu num furacão, ou o Tomé, sacristão tomado pelo "espírito santo do vinho".

O lançamento está marcado para sábado, pelas 18:00, no Neya Hotel, em Lisboa, e uma nova apresentação decorre na Covilhã, no dia 17, às 17:00, no bar Covilhã Jardim.

 

Tópicos:

Neya,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em Pedrógão Grande, dois anos depois dos incêndios, quase só os estrangeiros são atraídos para a região.

Uma equipa da RTP acompanhou o curso dos novos seguranças pessoais, "sombras" de quem protegem.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.